logotipo /imagens/bandeiras/pt.gif   /imagens/bandeiras/gb.gif   /imagens/bandeiras/it.gif   /imagens/bandeiras/es.gif   /imagens/bandeiras/fr.gif
  
Slideshow Image 1 Slideshow Image 2 Slideshow Image 3 Slideshow Image 4 Slideshow Image 5 Slideshow Image 6 Slideshow Image 7 Slideshow Image 8
Apresentação
Palavra do Pároco
Palavra de Deus e revelações privadas
Aparições e revelações
Os Santos e a interpretação da Escritura
Balasar
Beata Alexandrina
História de uma Vida
Missão
Mensagem
Espiritualidade
Mística
Colóquios
Êxtases
Orações
Fátima e Balasar
Alexandrina no mundo
Processo | Glorificação
Serviços
Horários Litúrgicos
Pastoral da Mensagem da Beata Alexandrina
Serviços aos Peregrinos
Peregrinos - Estatísticas
Destaques
Capela da Santa Cruz
Cruz de Cristo
História da Capela S. Cruz
Alexandrina e a Santa Cruz
Fundação
Protocolo
Logótipo
Corpos Gerentes
Arquivo
Notícias
Temas de Reflexão
Meditar e Rezar com a Beata Alexandrina

Meditar e Rezar com a Beata Alexandrina

2016-12-25 — MRBeata

2016-12-25

Oração no Presépio

«Doce e querido Jesus, em espírito prostrada humildemente, sentindo o vosso presépio, venho adorar-Vos e entregar-me inteiramente a Vós, para mesmo aqui, neste momento, morrer para mim e para o mundo. Oh, sim! Quero Jesus, para viver inteiramente para Vós, para dar -Vos a prova não do amor com que Vos amo, porque é tão pouco, mas sim daquele com que Vos queria amar. Jesus, fazei que tudo quanto se dirá sobre mim, seja de louvor, seja de desdém, eu o tome como se não me dissesse respeito: que eu fique como um cadáver que não fala, não ouve, não sente.

Se os médicos com suas experiências me abreviarem os dias de vida, eu aceito contente e perdoo-lhes de todo coração.

O que Vós quiserdes é o que eu quero, meu Jesus. A vossa vontade, a vossa glória e vosso amor. Vós, só Vós, meu Jesus». (Sentimentos da Alma; 27/12/1946)

2016-12-18 — MRBeata

2016-12-18

Alexandrina:

«Só Vós a compreendeis e dais luzes necessárias ao meu Paizinho para a compreender? O Divino Espírito Santo desce sobre ele e iluminá-lo-á todo? É preciso ser assim? Que a minha vida deve ser bem claramente mostrada ao mundo para que mesmo depois da minha morte as almas sigam o meu caminho e me imitem, para que mesmo do Céu eu seja o canal delas?»

(C.P.M.; 24/12/1938)

 

Jesus a Alexandrina:

«É com o mesmo amor que Jesus e Maria ama e se dá às almas amantes da Sua louquinha. A S.S. Trindade inclina-se, o Divino Espírito Santo estende os seus raios, irradia-os sobre este cofre riquíssimo do S.S.mo coração de Jesus.

Obrigada, obrigada, meu Jesus.»

(S.A.; 15/08/1942)

 

Jesus a Alexandrina:

«É o fogo divino, é o fogo do amor do Divino Espírito Santo; fogo e amor, que recebeste para dares às almas. É-lhes dado por teus lábios, é-lhes dado por teu ar, que se espalhará e comunicará a elas como alimento salutar. Vai, filhinha, tem coragem mais um pouco. A Minha vida, a Minha paz, o Meu amor seja contigo. Confia em Mim. É Jesus e princípio e o fim da tua vida.»

(Êxtases; 05/07/1946)

2016-12-11 — MRBeata

2016-12-11

Jesus a Alexandrina: «Sois um louquinho de amor por ele? Grande prémio lhe preparais? Ele é incansável pelas almas? No meu caso todos trabalharam? Vós, Jesus, a Mãezinha, o P. e eu sempre firme a receber tudo que Vos me dáveis? E eu fui subindo? E agora, Jesus? Agora estou perto da minha Pátria, o Céu, o Céu é para mim, Jesus? Nem se pergunta?»

(Êxtases; 31/10/1938)

 

Alexandrina a Jesus: «Tínheis amor para todos? Quereis muitas almas? Mas a minha missão, a minha missão na Terra não pode ser muito longa? Tenho as minha forças perdidas? Vós é que estais a sustentar-me, para poder chegar ao meu termo? Continuá-la-ei no Céu? Dou-Vos almas, muitas almas? Ó Jesus, isso quero eu? O Vosso Divino Coração está esmagadíssimo?

(Êxtases; 11/11/1938)

 

Jesus a Alexandrina: «Lavava o mundo de tantas iniquidades, de tantas maldades e crimes? Se os pecadores se banhassem todos neste Sangue Divino? Que meio de salvação? Ai, ai, esposa amada, quanto sofre o teu Jesus? Os pecadores ofendem-Vos? Pecam horrorosamente e fogem para longe de Vós? Dá, Meu encanto, tudo ao teu Jesus para o consolares?»

(Êxtases; 16/01/1939)

2016-12-04 — MRBeata

2016-12-04

Alexandrina:

«Anseio pela eternidade, porque só lá saberei agradecer a Jesus o ter-me escolhido para viver esta vida de contínuo sacrifício, ansiando só por amar Jesus e salvar as almas. Sei que bem poucas almas me compreenderão, mas uma só coisa me basta: Jesus tudo compreende.»

(Autobiografia)

 

Alexandrina:

«Mas mesmo assim iria a procura de novos mundos, a mendigar amor para amar a Jesus. Ai, meu Paizinho, quanto mais vou, mais quero ir. Parece-me que estou a arder, mas debaixo duma dor que me cobre. O dia de hoje tenho-o passado assim. Queria dizer tanto e acabo por não dizer nada.»

(C.P.M.; 19/12/1939)

 

Alexandrina:

«Aí meu Paizinho, custa tanto querer amar a Jesus e vê-Lo amado por todos e não ter amor e sentir que Jesus não é amado. Falei muito com Ele e com a Mãezinha, mas sempre na dor. Só por último é que estive um pouquinho mais abrasadinha. Desapareceu-me por algum tempo a dor que me feria o coração. Depressa tudo voltou. Voltei a trilhar o mesmo caminho.»

(C.P.M.; 09/01/1940)

2016-11-27 — MRBeata

2016-11-27

Alexandrina:

«Anseio pela eternidade, porque só lá saberei agradecer a Jesus o ter-me escolhido para viver esta vida de contínuo sacrifício, ansiando só por amar Jesus e salvar as almas. Sei que bem poucas almas me compreenderão, mas uma só coisa me basta: Jesus tudo compreende.»

(Autobiografia)

 

Alexandrina:

«Mas mesmo assim iria a procura de novos mundos, a mendigar amor para amar a Jesus. Ai, meu Paizinho, quanto mais vou, mais quero ir. Parece-me que estou a arder, mas debaixo duma dor que me cobre. O dia de hoje tenho-o passado assim. Queria dizer tanto e acabo por não dizer nada.»

(C.P.M.; 19/12/1939)

2016-11-20 — MRBeata

2016-11-20

Alexandrina a Jesus: «Compadecei-Vos dele, meu Jesus. O que ele está é despreocupado e não pensa na salvação eterna? É tão pequenino o número que se compenetra do mal que os espera? Jesus, não falemos mais de males. Dizei-me que só tendes amor e misericórdia para os pobres pecadores.»

(Êxtases; 19/01/1940)

 

Jesus a Alexandrina: «Cedi a vontade dos homens, o que jamais voltarei a fazer. Muitos acreditam mas não querem dar a mão, nem querem o acto de humildade. Muitos acreditam. Quero dar-lhes asas para voarem, quero dar-lhes toda a luz para se iluminarem. Abro-lhes o caminho, mostro-lhes o poder para os salvar.»

(S.A; 10/06/1955)

 

Jesus a Alexandrina: «Vive a vida do amor sem sentires o amor. Vive a vida da fé ardente sem sentires os seus efeitos. São os pecadores a converterem-se, são as almas a salvarem-se; acode-lhes, acode-lhes. Acreditas em Mim e que estou contigo?»

(S.A; 17/06/1955)

2016-11-13 — MRBeata

2016-11-13

Jesus a Alexandrina: «Minha filha, minha loucura, é na tua crucifixão que está toda a salvação das almas, é no teu duro penar que está a minha consolação e na tua completa, imolação que está a minha glória, é no teu calvário que está a minha completa alegria. Coragem, coragem! Não te falta Jesus com a Mãesinha e o teu P. Tens em ti a graça Divina.»

(S.A; 27/02/1942)

 

Jesus a Alexandrina: «Fui Eu que te escolhi, é a salvação das almas, é a minha glória. Coragem, minha amada! Tenho mais consolação e alegria na tua crucifixão do que em todos os sofrimentos e amor das almas do mundo inteiro! Alegra-te, confia? Vais em breve, muito em breve receber o prémio de todos os teus sofrimentos. Tem coragem!»

(S.A; 06/03/1942)

2016-11-06 — MRBeata

2016-11-06

Alexandrina a Jesus: «Sois um louquinho de amor por ele? Grande prémio lhe preparais? Ele é incansável pelas almas? No meu caso todos trabalharam? Vós, Jesus, a Mãezinha, o P. e eu sempre firme a receber tudo que Vos me dáveis? E eu fui subindo? E agora, Jesus? Agora estou perto da minha Pátria, o Céu, o Céu é para mim, Jesus? Nem se pergunta?»

(Êxtases; 31/10/1938)

 

Alexandrina a Jesus: «Tínheis amor para todos? Quereis muitas almas? Mas a minha missão, a minha missão na Terra não pode ser muito longa? Tenho as minha forças perdidas? Vós é que estais a sustentar-me, para poder chegar ao meu termo? Continuá-la-ei no Céu? Dou-Vos almas, muitas almas? Ó Jesus, isso quero eu? O Vosso Divino Coração está esmagadíssimo?

(Êxtases; 11/11/1938)

2016-10-30 — MRBeata

2016-10-30

Alexandrina:

«Jesus, tende compaixão de mim, compadecei-Vos da Vossa filhinha. Ó minha querida Mãezinha, lançai sobre mim um olhar de compaixão. Dai-me força.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 15/04/1939)

 

Alexandrina:

«Jesus, tende compaixão de mim: eu tenho confiança em Vós. Sei que estais em mim, meu Jesus: eu recebi-Vos.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 24/04/1939)

 

Alexandrina:

«Ó meu Deus, ó meu Jesus, de mãos erguidas e olhos no Céu Vos peço compaixão para a mais indigna das filhas Vossas. Vinde depressa em meu auxílio, não me abandoneis.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 20/01/1940)

2016-10-23 — MRBeata

2016-10-23

Alexandrina :

«Não se entristeça, meu bom Paizinho, com o estado da minha alma. É grande, infinitamente grande a misericórdia de Jesus sobre mim! Eu sinto paz, aquela paz que é d’Ele. Não tenho nada e tenho tudo. Ele sofre e ama em mim. São devoradoras as ânsias que tenho de O amar e de em tudo ser perfeita. Se eu pudesse, se fosse possível eu dar-Lhe todas as almas, que alegria para Jesus!

Será verdade vir à nossa casa o Reverendo Padre Provincial? Direi como o Publicano ao Senhor. Sou tão pecadora e indigna de estar diante dele.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 20/06/1950)

 

Alexandrina:

«Jesus, tende compaixão de mim, compadecei-Vos da Vossa filhinha. Ó minha querida Mãezinha, lançai sobre mim um olhar de compaixão. Dai-me força.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 15/04/1939)

2016-10-16 — MRBeata

2016-10-16

Alexandrina: «Em espírito aos Sacrários! Ó meu querido Jesus, queria-Vos ir visitar aos Vossos Sacrários mas não posso, porque a minha doença me obriga a estar retida no meu querido leito de dor. Faça-se a Vossa vontade, Senhor; mas, ao menos, meu Jesus, permiti que nem um momento se passe sem que às portinhas dos Vossos Sacrários eu vá em espírito dizer-Vos:

“Meu Jesus, quero-Vos amar, quero abrasar-me toda nas chamas do Vosso amor e pedir-Vos pelos pecadores e pelas almas do Purgatório!”»

(Pensamentos Soltos)

 

Alexandrina: «É na alma humilhante que Jesus Se exalta? É nos corações pequeninos que Jesus Se esconde para mais tarde aparecer? Jesus ama os corações pequeninos e só neles Se sente bem? Jesus derrama nos corações pequeninos as chamas do

Seu Divino amor? O amor de Jesus é tudo na alma desprendida?»

(Êxtases, 1941)

2016-10-13 — MRBeata

2016-10-13

Alexandrina convida-nos:

“Vinde, vamos todos para o Céu”

«Levei a minha vida a sofrer, e levarei o meu Céu a amar e a pedir a Jesus por vós, ó pecadores. Convertei-vos e amai a Jesus, amai a Mãezinha.

Vinde, vamos todos para o Céu.

Se sentísseis, por algum tempo, os martírios que por vós sofri, estou convencida de que não pecaríeis mais. E, se conhecêsseis o amor de Jesus, então morreríeis de dor por O terdes ofendido!

Não pequeis, não pequeis; Jesus criou-nos, Jesus é Pai.

Sou a pobre

Alexandrina Maria da Costa.»

(Sentimentos da Alma; 25/07/1947)

 

Alexandrina:

Ato de renúncia total:

« “O Jesus Amor, ó Divino Esposo da minha alma, eu que na vida sempre procurei dar-Vos a maior glória, quero na hora da minha morte fazer-Vos um ato de resignação à vinda do meu Paizinho Espiritual; e assim, meu Amado Jesus, se neste ato der maior glória à Trindade Santíssima, eu jubilosamente me submeto aos Vossos eternos desígnios, renunciado à felicidade que a presença do meu Paizinho me daria, para só querer e implorar da Vossa Misericórdia, o Vosso reinado de amor, a conversão dos pecadores, a salva­ção dos moribundos e o alívio das almas do Purgatório.»

Imediatamente, seguiu-se o ato de resignação da sua morte, assim:

“Meu Deus, como sempre Vos consagrei a minha vida, Vos ofereço agora o fim dela, aceitando resignada a morte acompanhada das circunstâncias que Vos derem maior glória.”.»

(12/10/1955)

2016-10-09 — MRBeata

2016-10-09

Alexandrina: Alexandrina: «É na alma humilhante que Jesus Se exalta? É nos corações pequeninos que Jesus Se esconde para mais tarde aparecer? Jesus ama os corações pequeninos e só neles Se sente bem? Jesus derrama nos corações pequeninos as chamas do Seu Divino amor? O amor de Jesus é tudo na alma desprendida?»

(Êxtases, 1941)

 

Jesus a Alexandrina: «“Anda, filhinha, meu amor, para os meus sacrários; não posso mais com tanto esquecimento e tanto abandono e tanto pecado. Prostra-te diante dos meus sacrários com toda a humildade e amor a pedir-me pelos pecadores.»

(Cartas ao Pe. Mariano Pinho, 1934)

2016-10-02 — MRBeata

2016-10-02

Alexandrina:

«Li-a e fiz todas as minhas orações da noite de joelhos. Só na madrugada consegui descansar: passei as horas a fazer companhia ao meu Jesus: não O

sentia , era noite cá fora e noite na alma, mas a minha fé fazia-me crer que estava muito unidinha a Ele. Fazia-lhe muitos pedidos: as consolações ficam para o Céu; eu mesmo sem sentir consolação, os meus desejos era não dormir nem um minuto. Chegou a manhã de hoje e eu triste e desconsolada.»

(C.P.M.; 08/11/1939)

 

Alexandrina:

«O peso esmaga-me, leva-me ao nada, ao nada que nada é. Abro os braços para Jesus e para a querida Mãezinha para receber a minha cruz , a minha fé obriga-me a acreditar que não há dita maior que ser vítima de Jesus e sofrer tudo por seu amor e dar-lhe a consolação de levar para junto d'Ele as ovelhinhas perdidas.»

(C.P.M.; 14/11/1939)

 

Alexandrina: «Não Vos largo, meu Jesus. Não Vos deixarei jamais, sem ouvir os Vossos Divinos lábios que o mundo não é castigado e que sempre há de ter perdão. Fica em paz?

Jesus: “Descansa, minha heroína? Podeis dizer outra vez na Terra, que a minha fé te salvou? Peço a todas as almas oração e penitência? Obrigada meu Jesus.”

(Êxtases; 23/08/1940)

2016-09-25 — MRBeata

2016-09-25

Alexandrina a Jesus: «Pobres almas, não querem escutar-Vos; fugiam de Vós loucas para a perdição.»

(S.A.,1942)

 

Alexandrina a Jesus: «Ofendeu muito a Jesus, mas foi grande o seu arrependimento, a sua dor. Que grande dita para uma crucificada e esposa de Jesus dar-lhe as almas que tanto o magoaram e feriram. Bendita seja toda a dor que me dais, bendito seja o remédio das almas.»

(S.A.,1942)

 

Jesus a Alexandrina: «Quando me pedires para as almas a graça de conversão ou do meu divino amor vencerás o Meu Coração! Tomarei o teu pedido como se fosse uma ordem dada. Vês como te faço rica? Vês a loucura do meu amor por ti? Coragem, muita coragem.»

(S.A, 1945)

 

Alexandrina: «O tudo desceu ao nada. A grandeza desceu à pobreza. O amor desceu à frieza, à tibieza, à miséria, à indignidade. Que grande amor é Jesus. Desceste do mais alto ao mais baixo.

Jesus, dai-me fogo, dai-me amor; amor que me queime, amor que me mate. Eu quero viver e morrer de amor.

Jesus, seja o Vosso Divino amor a minha vida! Seja ele, e só ele, a minha morte!

Jesus, eu quero amar-Vos, amar-Vos até à loucura, amar-Vos até morrer de amor.

Jesus, quero ser a predileta, a loucura do Vosso amor, perder-me na imensidade do Vosso amor.»

(P.S.; pág. 69)

2016-09-18 — MRBeata

2016-09-18

Jesus a Alexandrina:

«“Minha filha, ó minha amada, Eu estou contigo. Oh! Como eu te amo! São tão fortes as cadeias de amor que me prendem a ti que as não posso quebrar, não te posso abandonar. Sê-me fiel, ama-me muito, deixa o mundo por completo, que não te pertence. Não queiras aquilo que não é teu. O mundo a quem deves amar, servir e prestar todas as homenagens sou Eu nos meus sacrários”.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 1934)

 

Alexandrina:

«Posso eu servir-Vos ainda de mais alguma coisa? Dizei Jesus e tomai tudo para Vós, que tudo Vos pertence. As almas, as benditas almas quero que sejam salvas; não quero que Vos fujam, quero que venham a Vós.»

 (Êxtases, 1940)

 

Alexandrina:

Está tão triste o Coração de Jesus? A dor que a tritura é dolorosa, é profunda? Jesus ama e os pecadores ofendem? Jesus ama e a luxúria, (notou-se grande aflição e suspendeu a frase.) a raiva infernal atinge toda a alma? Oh! Como Jesus está ofendido!? Os crimes são graves e tão variados?... Ai do mundo, ai de Portugal!? Pobre mundo se não se converte? Pobre Portugal se não corresponde ao amor e à graça que lhe são dadas pelo seu Deus?»

(Êxtases, 1941)

2016-09-11 — MRBeata

2016-09-11

Jesus a Alexandrina:

«Anda prostrar-te diante de Mim, pedir-me perdão pelo teu desânimo e pela tua desconfiança”. Sabe o que eu fiz? Disse o acto de contrição por duas vezes, pus-me em espírito diante dos sacrários e dizia: “Meu Jesus, misericórdia! Perdão, Jesus, perdão!” E estava com o meu crucifixo na mão. Que felizes momentos! Que união tão grande, que força, que me parecia apertar-me tanto! E era tal o calor que eu sentia, que me parecia que me atravessavam labaredas de fogo.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 1934)

 

Jesus a Alexandrina «Ela vai velar no Céu por aqueles que na Terra tanto cuidam dela. Ela vai ser a jóia riquíssima, o cadinho que limpa os pecadores. Os pecadores enriquecem-se e salvam-se com a amada de Jesus.»

(S.A.; 1942)

 

Jesus a Alexandrina «É grande o número que por ele são guiadas e salvas. Diz-lhe que lhes fale do seu amor, da minha misericórdia. Por ele elas serão das minhas graças enriquecidas. Eu não quero que as almas sejam chamadas pela violência e pelo temor. Pobres almas basta-lhe o remorso e o temor de Me terem ofendido.

(S.A.; 1948)

2016-09-04 — MRBeata

2016-09-04

Alexandrina:

«Só raramente e por poucos instantes, eu sinto algum fervor. Dum momento para o outro, vem como que um ladrão roubar-me tudo. É a cruz que Nosso Senhor me envia: bem-vinda ela seja. Não sei como amá-la mais. Não sei como testemunhar melhor o meu amor a Nosso Senhor.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 1937)

 

Alexandrina reproduz em perguntas o que ouve de Jesus:

«(Jesus) Jesus é a escola do amor, é a escola da dor? O amor inibria, a dar purifica? O amor queima, a dor repara? A dor e O amor abriram o Céu, resgataram o mundo?»

(Êxtases, 1941)

 

Alexandrina:

«A cegueira dos discípulos de Jesus e dos que se dizem seus amigos desgostam-me mais do que os crimes dos pecadores. Jesus imola as Suas vítimas para os salvar. E aqueles que deviam possuir sempre a luz divina não a querem não vão à sua procura tentando deitar por terra as causas mais sublimes de Jesus, aquilo que ele preparou de mais rico na terra, de maior glória para Si e proveito para as almas»

 (Sentimentos da Alma; 1943)

2016-08-28 — MRBeata

2016-08-28

Alexandrina reproduz em perguntas o que ouve de Jesus:

«(Alexandrina) Posso tudo, venço tudo, porque a Vossa Divina força me sustenta. Bem-aventurados os humildes. Quanto mais me humilhar, mais Vós me haveis de exaltar.

(Jesus) Alegro e consolo o Vosso Divino Coração com estas palavras? Meu Bom Jesus, consolar-Vos, amar-Vos e salvar-Vos almas é a minha alegria na Terra, Não a sinto, mas sai que é. Tenho coragem? Um esforço mais? Muito obrigada, meu Jesus. Sede sempre comigo.»

(Êxtases; 20/10/1939)

 

Alexandrina reproduz em perguntas o que ouve de Jesus:

«(Jesus) O Céu, o gozo completo é dos humildes e mansos do coração? Jesus ama os corações limpos e puros? Jesus alegra-se na alma que se humilha? É na alma humilhante que Jesus Se exalta? É nos corações pequeninos que Jesus Se esconde para mais tarde aparecer? Jesus ama os corações pequeninos e só neles Se sente bem? Jesus derrama nos corações pequeninos as chamas do Seu Divino amor? O amor de Jesus é tudo na alma desprendida? Como Jesus quer e ama às almas que a Ele se entregam?»

(Êxtases; 19/09/1941)

2016-08-15 — MRBeata

2016-08-15

Alexandrina:

«Meu Paizinho, cumpriram-se as palavras de Nosso Senhor: as horas do dia que passei foram tristíssimas, o coração sempre tristíssimo com os males do mundo e eu sem saber como consolar o meu Jesus. Sinto-me também inconsolável; não parece o dia da Assunção da Mãezinha querida. Como eu queria fazer-Lhe uma festinha! mas pouco ou nada Lhe sei dizer.»

(C.P.M.; 15/08/1939)

 

Alexandrina:

 «Vai “o amor” continuar no Céu ainda a salvá-las? Jesus tenho-Vos ofendido tanto; concordai comigo que é verdade, Jesus. Jesus tem sido amado pela Sua Alexandrina loucamente? Só tenho as manchas que Jesus tem permitido? Jesus precisava dum véu onde pudesse esconder-se? Está a Virgem Maria, a Mãe celestial louca de amor pela sua filhinha? Alegra-se a Virgem por ver na sua filhinha o pão, alimento de todos os seus filhinhos condenados?

Ó Jesus, não quero que a Mãezinha sofra, não quero que sofra o Vosso Divino Coração! Peço-Vos amor e força para levar a minha cruz. »

(Êxtases, 15/08/1941)

2016-08-14 — MRBeata

2016-08-14

Jesus a Alexandrina:

(Alexandrina reproduz em interrogações o que ouve de Jesus:)

«Diz, Meu encanto, ao teu P.. Quereis que ele acenda o fogo nas almas? Fogo que nunca mais se apagou? Fogo eucarístico, fogo da Eucaristia? Quereis que as almas se inflamem no Vosso Divino Amor para Vós Vos poderdes inflamar neles? No Sacrário, no Sacrário há só amor? Amor que queima e consola? Amor que a nada pode resistir?»

(Êxtases; 05/01/1931)

 

Jesus a Alexandrina:

«Minha filha, à semelhança de Santa Margarida Maria, eu quero que incendeies no mundo este amor tão apagado nos corações dos homens. Incendeia-o, incendeia-o. Eu quero dar, Eu quero dar o Meu amor aos Homens. Eu quero ser por eles amado. Eles não Mo aceitam e não Me amam. Por ti quero que este amor seja incendiado em toda a humanidade, assim como por ti foi consagrado o mundo à Minha Bendita Mãe. Faz, esposa querida, que se espalhe no mundo todo o amor dos Nossos Corações.»

(Sentimentos da Alma; 01/10/1954)

 

Alexandrina:

«Na noite passada, vi o Menino Jesus já crescidinho, sentado dentro do Sacrário, logo à entrada da portinha, que estava aberta para traz. Era formosíssimo. D’Ele, do Seu Divino Coraçãozinho e do Sagrado vaso, vinham para mim chamas que chegavam para incendiar todo o mundo. Estas visões deram-me mais vida a alma, confortaram-me, uniram-me mais à cruz e ao Sacrário.»

(Sentimentos da Alma; 31/12/1948)

2016-08-07 — MRBeata

2016-08-07

Alexandrina:

«Quero abraçar o meu peito num abraço que ninguém pudesse arrancar. Quero guardar não sei o quê que me foi entregue e tenho que velar e vigiar. Não sei como, meu Deus, conseguir guardar, guardar bem, guardar tudo. Fujo, Jesus, fujo para o Vosso Divino Coração; seja ele o cofre bendito que me guarde para sempre a mim e a esta entrega que me foi feita a que tantos cuidados me sujeito. Ai estou bem, ai estou segura, não corro perigo eu nem aquilo que tenho que olhar e vigiar. Guardai-me sim, guardai-me para sempre.»

(Sentimentos da Alma; 14/12/1944)

 

Alexandrina:

«Ó meu querido Jesus, quero ir visitar-Vos aos Vossos Sacrários mas não posso, porque a minha doença obriga-me a estar retida no meu querido leito de dor. Faça-se a Vossa vontade, Senhor, mas, ao menos, meu Jesus, permiti que nem um momento se passe sem que à portinha dos Vossos Sacrários eu vá em espírito dizer-Vos: Meu Jesus, quero amar-Vos, quero abrasar-me toda nas chamas do Vosso amor e pedir-Vos pelos pecadores e pelas almas do Purgatório.»

(Autobiografia; 1930)

 

Jesus a Alexandrina:

«Diz tudo, tudo. Apresentei-te isto para veres que os teus pedidos são ouvidos no Céu. O que viste foi Nossa Senhora com os seus anjos, querubins e serafins com os seus instrumentos vieram preparar a tua alma e depois deram-me graças, me amaram e me louvaram como no Céu. Estão em trono à roda de ti, vieram em revoada»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 1935)

2016-07-31 — MRBeata

2016-07-31

Alexandrina:

«Queria, ó meu Jesus, na Vossa presença estar dia e noite, a toda a hora, unida a Vós estar, e não Vos deixar, meu Jesus, sozinho no Sacramento, nem um momento me ausentar e dar-Vos o que possuo e que tudo a Vós pertence: o meu coração, o meu corpo com todos os seus sentidos. É toda a minha riqueza.»

(Autobiografia; 1934)

 

Alexandrina:

«Coração meu, a quem amas a não ser o teu Jesus? É a riqueza do Céu, é o amor dos Sacrários, o alimento das almas famintas do Seu amor, é o pastor compassivo das ovelhas desgarradas, que há muito Lhe têm fugido. Procura-as por toda a parte, chama-as, não descansa enquanto as não alcança. Depois de as ter consigo abraça-as, acaricia-as.»

(Autobiografia; 1935)

2016-07-24 — MRBeata

2016-07-24

Jesus a Alexandrina: «Ó Minha amada, Minha querida filha, é este o caminho, segue-Me; é a via dolorosa, é o caminho do Calvário. Fui Eu que te escolhi, é a salvação das almas, é a Minha glória. Coragem, minha amada! Tenho mais consolação e alegria na tua crucifixão do que em todos os sofrimentos e amor das almas do mundo inteiro! Alegra-te, confia! Vais em breve, muito em breve, receber o premio de todos os teus sofrimentos. Tem coragem!»

(Êxtases; 06/03/1942)

 

Alexandrina:

«Como tudo isto vem consolar a minha pobre alma, e quanto preciso me é para mais e mais amar a Nosso Senhor, e espero que sempre me ajude na satisfação da minha alma, assim como tem feito até aqui. Já que tenho a infelicidade de não ter ao meu lado quem me diga uma palavra que me console, mas graças ao meu querido Jesus que tenho lá de longe quem faça por mim tantas coisas.»

(Cartas ao Pe. Mariano Pinho 27/10/1933)

2016-06-26 — MRBeata

2016-06-26

Alexandrina :

«Meu Jesus quero seguir-Vos, à Vossa semelhança quero caminhar.»

(Sentimentos da Alma; 13/09/1945)

 

Alexandrina:

«Só a vontade de Vos seguir, de Vos amar, de Vos imitar, de Vos pertencer, de ser-Vos fiel ate à morte permanece firme, mesmo com a cegueira esconder tudo.»

(Sentimentos da Alma; 03/11/1945)

 

Jesus a Alexandrina:

«Ó Minha amada, Minha querida filha, é este o caminho, segue-Me; é a via dolorosa, é o caminho do Calvário. Fui Eu que te escolhi, é a salvação das almas, é a Minha glória. Coragem, minha amada! Tenho mais consolação e alegria na tua crucifixão do que em todos os sofrimentos e amor das almas do mundo inteiro! Alegra-te, confia! Vais em breve, muito em breve, receber o premio de todos os teus sofrimentos. Tem coragem!»

(Êxtases; 06/03/1942)

 

Jesus a Alexandrina:

«Eu dei o exemplo: nasci pobre, ensinei o caminho, mas tantos seguem por outro e fazem com que Eu seja horrorosamente ofendido. Dá-me o teu corpo como vítima, que para reparar tudo isto tenho muito que te consumir. Deixa encher-te do Meu amor, cobrir-te com as Minhas carícias. És o amor do teu Jesus.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 14/02/1935)

2016-06-19 — MRBeata

2016-06-19

Alexandrina:

«Creio em Deus Pai Todo-poderoso. Meu Deus, sabeis que eu Vos amo, ou melhor, creio em Vós e só Vós sabeis quanto desejo amar-Vos. Deixai-me enlouquecer por Vosso amor e fazei que em tudo morra a minha vontade, o meu querer, o meu eu para Vós e só Vós viverdes, meu Jesus.»

(S.A.; 1946)

 

Alexandrina:

«Ó doce Jesus, ó amor do meu amor, fazei-me forte, imolai-me; fazei-me pura, sacrificai-me. Juntai o meu sangue ao Vosso, Jesus, a minha dor à Vossa dor, o meu amor ao Vosso amor. Em Vós serei forte. Imolai nas Vossas Divinas mãos o mais pequenino cordeiro. Quero dar a minha vida pelo Vosso amor. Quero dar a minha vida para salvar-Vos as almas. Quero morrer para mim, quero morrer para o mundo; quero que em mim só haja a vida do amor. Jesus, quero viver só para salvar-Vos as almas.»

(Êxtases; 1941)

2016-06-12 — MRBeata

2016-06-12

Alexandrina:

Jesus «Que sublimes são os teus desejos o filha minha, é esposa querida. À vista deles, à vista de tanta compaixão Jesus tem que perdoar aos pecadores.»

 

Alexandrina «Sim meu Jesus, de que perdoeis, desejo que esqueçais todas as ofensas, são nossos filhos. Ao considerar que Vos custaram O Vosso sangue não posso recusar nenhum sofrimento por eles.»

(Sentimentos da Alma, 06/02/1943)

 

 

2016-06-05 — MRBeata

2016-06-05

Jesus

«”Levanta-te, toma o teu lugar, sou o teu Jesus, tenho poder para o fazer assim como tive poder para mandar levantar e caminhar os mortos.”

Já nas minhas almofadas Ele estreitou-me ao Seu Divino Coração, acariciou-me e beijou-me.

“Se o mundo conhecesse, Minha filha, o que é a vida do amor Divino!”»

(S.A.; 1945)

Jesus

«Coragem fortalece-te de Mim, levanta-te do teu desfalecimento, vem receber-me, vem comungar dentro do Meu Divino Coração. Vais receber-me, vais comungar.»

(S.A.; 1946)

2016-05-29 — MRBeata

2016-05-29

Jesus «”Levanta-te, toma o teu lugar, sou o teu Jesus, tenho poder para o fazer assim como tive poder para mandar levantar e caminhar os mortos.”

(Alexandrina)Já nas minhas almofadas Ele estreitou-me ao Seu Divino Coração, acariciou-me e beijou-me.

(Jesus)“Se o mundo conhecesse, Minha filha, o que é a vida do amor Divino!”»

(S.A.; 1945)

 

Jesus «Coragem fortalece-te de Mim, levanta-te do teu desfalecimento, vem receber-me, vem comungar dentro do Meu Divino Coração. Vais receber-me, vais comungar.»

(S.A.; 1946)

2016-05-22 — MRBeata

2016-05-22

Alexandrina:

«Ó querida Mãezinha do Céu, ide dar beijinhos aos Sacrários, beijos sem conta, abraços sem conta, mimos sem conta, carícias sem conta, tudo para Jesus Sacramentado, tudo para a Santíssima Trindade, tudo para Vós.»

(Autobiografia)

 

Jesus a Alexandrina:

«Minha filha, pomba branca, pomba angélica; a tua vida é um trinado de louvor a Jesus, a toda a Trindade Divina e a minha Mãe Santíssima.»

(Sentimentos da Alma; 12/01/1045)

2016-05-15 — MRBeata

2016-05-15

Jesus a Alexandrina: «Vive do Meu sangue, vive do Meu amor, comunica-lhes esta vida, fala-lhes das Minhas ameaças, das Minhas queixas e do Meu perdão; fala-lhes com a prudência com que lhes tens falado, é a luz do Espírito Santo a iluminar-te, sou Eu a falar pelos teus lábios.» (S.A.; 1949)

 

Jesus a Alexandrina: «Sossega, Minha pomba bela, a Minha paz é contigo. Com a consolação e alegria que Me dás esqueço as tuas faltas, faltas que permito para esconder as Minhas maravilhas, o tesouro das Minhas riquezas, o Meu amor infinito. Coragem, estou contigo!» (S.A.; 1945)

 

Jesus a Alexandrina: «Minha filha, assentamos lugar para sempre no trono de realeza, no trono do teu coração, Eu, Meu Pai e o Espirito Santo. Este para te encher dos Seus dons, do Seu amor, da Sua luz. E sabes para que, Minha esposa querida? Para tu dares, para tu comunicares às almas.» (S.A.; 1946)

2016-05-08 — MRBeata

2016-05-08

Alexandrina: «No mesmo dia das nove pelas dez horas da noite ressuscitei dentre os mortos, triunfei sobre a morte e sobre toda a dor. E subiu para o alto uma vida que não era minha.» (S.A.; 1946)

 

Alexandrina: «Quero dizer e não sei, mas sinto e sei que Jesus sofreu e amou como ninguém. Cada brado dos Seus ao Eterno Pai aproximava-nos a nós do paraíso. Quando se moviam os Seus lábios nesses brados dolorosos eu sentia a doçura e o perdão que ele dava a todo o mundo. Agonizou o meu Jesus; a Sua alma subiu…» (S.A.; 1948)

2016-05-01 — MRBeata

2016-05-01

Jesus a Alexandrina: «Vai em paz, vai em paz, alegre, sempre firme e confiada. O teu Jesus não te falta. Terás sempre a luz do Espírito Santo.» (S.A.; 1946)

 

Jesus a Alexandrina: «Vive do Meu sangue, vive do Meu amor, comunica-lhes esta vida, fala-lhes das Minhas ameaças, das Minhas queixas e do Meu perdão; fala-lhes com a prudência com que lhes tens falado, é a luz do Espírito Santo a iluminar-te, sou Eu a falar pelos teus lábios.» (S.A.; 1949)

 

Jesus a Alexandrina: «Terás os dons do Espírito Santo, a Sua Luz Divina para nos outros tudo veres e compreenderes, o da fortaleza para tudo suportares e venceres. Coragem nos teus desfalecimentos, coragem até que chegue o Céu.» (S.A.; 1945)

2016-04-24 — MRBeata

2016-04-24

Jesus a Alexandrina: «Todas as almas que te visitarem, são os seus nomes inscritos pelo teu Anjo em Meu Coração, e serão salvas. Mesmo aquelas que te visitarem por curiosidade e mal-intencionadas. A tua dor será uma força invencível que a todas salva. Tudo isto faz parte da missão que te confiei, a mais nobre e sublime missão.»

(S.A.; 1946)

 

Jesus a Alexandrina: «Todas as almas que te visitarem, pecadores ou sequiosos de Mim, serão salvos, a não ser que abusem da Minha promessa e confiados nela continuem a sua vida de pecado, vida de ofensas para Mim. Depois da tua morte todos aqueles pecadores que te forem recomendados serão salvos. E sabes quem vai levantar-te ao Céu todos os pedidos e mensagens? É o Anjo da tua guarda. Que bela e gloriosa é a tua missão! Como Jesus te enriqueceu! Que grande prova de amor para o mundo!» 

(S.A.; 1946)

2016-04-17 — MRBeata

2016-04-17

Jesus a Alexandrina:

«Dá-lhe (ao Pe. Mariano Pinho) o Meu Divino Coração, a transbordar de graça e amor, para Ele dar às almas, que lhe pus nos seus caminhos, e, à semelhança do Bom Pastor, sem deixar fugir nenhuma, as conduzir a Mim.»

(Sentimentos da Alma; 03/12/1941)

 

Jesus a Alexandrina:

«Pede-lhe que se convertam, faz que as almas venham a Mim, reúne em Meu Divino Coração as Minhas ovelhas, todo o Meu rebanho. Pede, pede em nome de Jesus. Penitência, oração e sincera reconciliação.»

(Sentimentos da Alma; 23/02/1945)

2016-04-10 — MRBeata

2016-04-10

Jesus a Alexandrina:

«Coragem, Minha filha, lança as tuas redes! Coragem, coragem, ó esposa predileta de Jesus! Repete o teu creio. Lança às praias, casinos, cinemas e por todas essas cidades provocadoras e pecaminosas, as tuas redes em sangue, as tuas redes de tormentos indizíveis e inigualáveis. Ó Minha filha, Minha filha, como é desafiada a justiça de Meu Pai! Quanto sofre o Meu Divino Coração é o de Minha Mãe Santíssima! Lança, lança as tuas redes. Desempenha a tua nobre missão. Oh! Como a Terra em breve receberá do Céu chuvas, orvalhos celestes enviados por ti. A tua missão, a tua missão no paraíso continua, continua triunfante. Lança as tuas redes, lança as tuas redes, lança as tuas redes para os sacerdotes.»

(Sentimentos da Alma; 29/06/1955)

 

Jesus a Alexandrina:

«Confia, a causa é Minha, Eu tudo vencerei. Repete, Minha filha, flor mimosa e pura, a tua mensagem ao Papa. Sou Eu que peço, quero que ele brade, brade, brade ao mundo como Pai de todos, Pai escolhido por Mim, que lhe peça para não Me ofender, que haja emenda de vida. Que mande os seus Bispos e todos os que governam a convidarem os fiéis ao amor, à penitência.»

(Sentimentos da Alma; 22/06/1945)

 

Alexandrina:

«Faz-me lembrar o marinheiro dentro da sua barquinha a atirar as redes ao mar para apanhar a pesca. Eu sinto dentro em mim o marinheiro das almas a fazer o mesmo canseirosamente. Sinto um mundo de amor sobre o meu coração; este amor, este mundo, é o mundo do Coração de Jesus. É um mundo e é para o mundo.»

2016-04-03 — MRBeata

2016-04-03

Alexandrina:

«A Minha paixão, a Minha misericórdia, a Minha ternura, a loucura do Meu Divino amor. Mostra o quanto sofri e quanto te assemelhei a Mim. Foram infinitos os Meus sofrimentos, infinitos são também os teus, pois estás transformada no infinito.»

(Sentimentos da Alma; 13/04/1945)

 

Jesus a Alexandrina:

«Estas retratada em Cristo e eis porque és rica e continua por ti a obra da redenção. Sofro em ti ao modo mais real; e apesar, de toda a ingratidão humana, vão-se assim salvando as almas. Vão, vão, meu Jesus, porque a Vossa misericórdia é infinita e o Vosso Divino amor não cessa. As almas salvam-se por Vós e não por Mim. Quem é a força da minha dor e move para o sofrimento a minha vontade, senão Vós, meu, Jesus?»

(Sentimentos da Alma; 14/07/1946)

2016-03-20 — MRBeata

2016-03-20

Alexandrina (refere-se a Jesus):

«Sou tratado como um louco, pouco importa. (…) Crucifica-O! Crucifica-O! Raiva satânica; Sou preferido a Barrabás! Diz-me, se na verdade és o Filho de Deus? Se Vos digo, não me acreditais Mas em verdade, em verdade vos digo, que é breve me vereis à direita do Pai com todo o poder para vos julgar. Não haja nada entre ti e esse justo. Senhor Divino! Este homem é inocente! Castigá-lo-ei e no fim o soltarei. Crucifica-O! Crucifica-O! Vais para a coluna!»

(E.; 1940)

 

Alexandrina (refere-se a Jesus):

«Recebi a cruz: esmagada, curvada com o seu peso, caí debaixo dela no mesmo lugar.

(S.A.; 1945)

2016-03-13 — MRBeata

2016-03-13

Jesus «Que sublimes são os teus desejos o filha minha, é esposa querida. À vista deles, à vista de tanta compaixão Jesus tem que perdoar aos pecadores.»

 

Alexandrina «Sim meu Jesus, de que perdoeis, desejo que esqueçais todas as ofensas, são nossos filhos. Ao considerar que Vos custaram O Vosso sangue não posso recusar nenhum sofrimento por eles.»

(Sentimentos da Alma, 06/02/1943)

 

Alexandrina «Jesus, Jesus, permiti tudo menos o escândalo; eu não quero que sejais ofendido, mas muito menos ainda naquilo que me diz respeito. Perdoai a todos, perdoai-me a mim e dai-me a Vossa bênção, Jesus.

(Sentimentos da Alma, 27/02/1943)

2016-03-06 — MRBeata

2016-03-06

Jesus: «Quando me pedires para as almas a graça de conversão ou do meu divino amor vencerás o Meu Coração! Tomarei o teu pedido como se fosse uma ordem dada. Vês como te faço rica? Vês a loucura do meu amor por ti? Coragem, muita coragem.»

(Sentimentos da Alma, 15/06/1945)

 

Alexandrina «Não posso suportar este nada que eu sou diante de Nosso Senhor. Além do meu sofrimento que é a minha vida sinto em mim como que uma voz poderosa que chega atá o fim do mundo e que chama com um eco que se não mede, clama amor e chama a humanidade a converter-se.»

(Sentimentos da Alma, 21/12/1945)

 

Jesus «E tu, esposa minha, vítima primogénita, que grande alegria dás ao Céu, que grande alegria de paz e luz dás aos pecadores! Que grande número salvos por ti, cantam já no Céu os meus louvores; e que grande número ainda na terra goza de grande alegria e paz pela sua conversão.»

(Êxtases, 8/10/1948)

2016-02-28 — MRBeata

2016-02-28

Alexandrina «Sofrerei hoje tudo para me converter deveras para Nosso Senhor, cumprindo em tudo a Sua santíssima vontade, sendo o que Ele quer que eu seja»

(Autobiografia)

 

Jesus «Quando me pedires para as almas a graça de conversão ou do meu divino amor vencerás o Meu Coração! Tomarei o teu pedido como se fosse uma ordem dada. Vês como te faço rica? Vês a loucura do meu amor por ti? Coragem, muita coragem.»

(Sentimentos da Alma, 15/06/1945)

 

 

Alexandrina «Não posso suportar este nada que eu sou diante de Nosso Senhor. Além do meu sofrimento que é a minha vida sinto em mim como que uma voz poderosa que chega atá o fim do mundo e que chama com um eco que se não mede, clama amor e chama a humanidade a converter-se.»

(Sentimentos da Alma, 21/12/1945)

2016-02-21 — MRBeata

2016-02-21

Jesus «Quando me pedires para as almas a graça de conversão ou do meu divino amor vencerás o Meu Coração! Tomarei o teu pedido como se fosse uma ordem dada. Vês como te faço rica? Vês a loucura do meu amor por ti? Coragem, muita coragem.»

(Sentimentos da Alma, 15/06/1945)

 

Alexandrina «Não posso suportar este nada que eu sou diante de Nosso Senhor. Além do meu sofrimento que é a minha vida sinto em mim como que uma voz poderosa que chega atá o fim do mundo e que chama com um eco que se não mede, clama amor e chama a humanidade a converter-se.»

(Sentimentos da Alma, 21/12/1945)

2016-02-14 — MRBeata

2016-02-14

Alexandrina:

«Que tentação do demónio contra a fé: o Céu não existe, não há Deus, não há almas a salvar, de nada vale sofrer assim! Não sei dizer as minhas amarguras. Sinto que ninguém me compreende; todos me desprezam e as humilhações esmagam-me. A cegueira do meu espirito cegou-me por completo.

Ó trevas, negras trevas que me matastes.

Ó meu Jesus, tinha tanto que dizer e não sei e não posso falar.»

(Sentimentos da Alma; 07/12/1945) 

2016-02-07 — MRBeata

2016-02-07

Jesus: “Vem, Minha filha ao Meu coração de Esposo, ao Meu coração de Pai. Levanta-te! Coragem, coragem! Vem a este Coração que te ama loucamente e tu amas loucamente. Vem a este Coração que te pede. Faz, faz que Eu seja amado. Fala do Meu amor. Distribui o Meu amor. Vem, Minha louquinha, vem, pescadora das almas. Repara, olha no amor, no universo os pescadores a lançar as suas redes para ganharem o seu pão e para o alimento corporal da humanidade. As tuas redes são outras. Ó pescadora de Jesus, olha para Mim. Tu lanças-te as redes da dor e do amor neste mar infindo de tanto martírio. Eu puxo para Mim as redes, sobem para Mim as almas.»

 

Alexandrina: Vi os dois mares: o mar do peixe e o mar das almas. Neste estava só Jesus. Como Ele puxava as redes!... Que diferença entre os outros pescadores. A de Jesus multiplicava-se infinitamente.

 

Jesus: “O mundo peca, o mundo está louco. É preciso, é urgente sustentar o braço de Meu Pai. Repara, pescadora, sofre no teu mar inaudito para que as almas se salvem aos milhões.”

(Sentimentos da Alma; 02/06/1955)

2016-01-24 — MRBeata

2016-01-24

«(Jesus a Alexandrina) Vai em paz, vai em paz, alegre, sempre firme e confiada. O teu Jesus não te falta. Terás sempre a luz do Espírito Santo.As Minhas divinas promessas hão-derealizar-se com luz clara e brilhante. Coragem, coragem sempre! Exaltam-se os humilhados.»

(Sentimentos da Alma; 08/02/1946)

 

«(Jesus a Alexandrina) confia, confia, Eu não falto àquilo que prometo. O fim das minhas divinas promessas há-de ser realizado»

(Sentimentos da Alma; 10/08/1945)

 

«(Jesus a Alexandrina) Oh! Como é doce sofrimento levado por amor de Jesus e das almas. Ofereci a Jesus e à Mãezinha a consolação que eu podia sentir com esta boa nova. Disse-lhes que era para os seus Santíssimos Corações a consolação que eu devia sentir assim como a alegria. Tirai Jesus de tudo isto proveito para as almas, são elas e o Vosso amor o único fim da minha dor.»

 (Jesus a Alexandrina) «…queres, minha querida filha, participar comigo de toda a minha paixão ? Oh! Não me dês uma negativa ! Ajuda-me na redenção do género humano!»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 11/10/1934)

2016-01-17 — MRBeata

2016-01-17

Alexandrina:

«Deixai-me ó Jesus, ou antes permiti que eu fite para sempre o meu olhar nos Vossos divinos olhares para nunca mais de Vós os retirar, para ver todo o martírio como vindo de Vós para assim não querer outra coisa a não ser aquilo que me dais. Quero viver em Vós e para Vós, e nada temer, ser forte convosco.

(Sentimentos da Alma; 13/05/1943)

 

Jesus:

«Ó minha filha, como é grande para contigo o amor do teu Jesus. Jesus deu à sua benjamina toda a riqueza do Seu Divino Coração. Jesus deu à louquinha da Eucaristia todo o fogo divino que o abrasa. Jesus é belo e em beleza transformou o coração e a alma da sua esposa. Se o mundo conhecesse a beleza e a riqueza da amada de Jesus ao vê-la ajoelhava. Cobre-a toda a graça divina, enche-a toda a riqueza do Céu.»

(Sentimentos da Alma; 06/02/1943)

2016-01-10 — MRBeata

2016-01-10

Alexandrina:

Alexandrina «A tribulação é enorme? SÓ Vós a compreendeis? Dais luzes necessárias ao meu P. para a compreender? O Divino Espírito Santo desce sobre ele e ilumina-o todo? É preciso ser assim? A minha vida bem claramente mostrada ao mundo» para que mesmo depois da minha morte as almas sigam o meu caminho e me imitam, para que mesmo do Céu eu seja o canal delas?»

(Sentimentos da Alma; 03/10/1944)

 

Alexandrina: «O Espírito Santo está sempre em mim? É uma luz que me ilumina; nunca me deixará de iluminar? Sou tão querida pela Trindade Santíssima. Ó Jesus muito obrigada, muito obrigada.»

(Êxtases; 03/03/1939)

2016-01-03 — MRBeata

2016-01-03

Alexandrina:

«Já Vos vou ver; já Vos vou amar; já Vos vou adorar, Jesus.

(Também cantou suavemente assim):

Eu Vos adoro, ó Deus de amor.

Eu Vos adoro, ó meu bom Pai.

Eu Vos adoro, ó meu Criador

Eu Vos adoro no santuário

Eu Vos adoro no sacramento, ó Pão Divino, o Pão Divino, da alma alimento. Jesus é meu! Jesus é meu, ó vem a mim, ó vem a mim, ao meu coração, que é só Teu, só Teu, só Teu, Jesus!...»

(Êxtases, 31/01/1941)

 

 

 

2016-01-01 — MRBeata

2016-01-01

Alexandrina

«Novo ano, nova vida, são estes os desejos o ânsias profundas do meu coração. Nova vida, sim; queria agora principiar a fazer o que até aqui não tenho feito, por não ter forças, ou não saber viver doutra forma. Quero sor pura e perfeita em todos os meus atos e ações. Quero ser de Jesus, viver só d’Ele e para Ele, para assim, inteiramente d'Ele, poder Ele tirar de mim algum proveito para as almas.»

(S.A.; 02/01/1948)

Destaques
/imagens/destaques/rsz_anopastoral2016_17.jpg
Agenda
2016-2017
Ano Mariano - Fé Contemplada
30 março 2017
113º aniversário do nascimento da Beata Alexandrina
25 de abril 2017
13.º aniversário da Beatificação de Alexandrina
Localização

Ver mapa maior
ContactosMoradaHorários

Tel. Igreja: (00351) 252 951 601

Tel. Fundação: (00351) 252 951 264 

E-mail: fundacao@alexandrinadebalasar.com

Rua Alexandrina Maria da Costa, 21

4570-017 Balasar PVZ

GPS     41º 24' 17'' N    8º 37' 31'' W

 

Receção da Igreja:

segunda feira a sábado

09h00-12h30 e 14h00-18h00

domingo

09h00 às 12h45 e 14h30 às 19h00 (horário verão)

                                        ou 18h00 (horário inverno)

 

Casa da Alexandrina:

09h00-12h00 e 14h00-19h00