logotipo /imagens/bandeiras/it.gif
   
Slideshow Image 1 Slideshow Image 2 Slideshow Image 3 Slideshow Image 4 Slideshow Image 5 Slideshow Image 6 Slideshow Image 7 Slideshow Image 8
Beata Alexandrina
Mensagem
Mística
Orações
Alexandrina no mundo
Processo | Glorificação

Meditar e Rezar com a Beata Alexandrina

2017-11-12 — MRBeata

2017-11-12

Alexandrina:

«A Vossa bela pombinha precisa tanto do conforto de Jesus e não o teve quando estava mais só fingistes que mais só me deixavas? É amor, só amor que Vos obriga a fazer assim? Tinha assim um ramalhete mais belo para oferecer ao meu esposo? Sacrifício, sacrifício tudo é pouco para salvar os pecadores? Penitência, penitência pede jesus ao mundo numa conversão completa?

Que ingratidão vai pelo mundo? Que maldade, que loucura? Que vícios imundos? E tudo isto contra Vós que os amastes tanto? Que morrestes por eles? Sem gota de sangue das Vossas Divinas veias?

(Êxtases, 04/01/1939)

 

Jesus «Quando me pedires para as almas a graça de conversão ou do meu divino amor vencerás o Meu Coração! Tomarei o teu pedido como se fosse uma ordem dada. Vês como te faço rica? Vês a loucura do meu amor por ti? Coragem, muita coragem.»

(Sentimentos da Alma, 15/06/1945)

 

 

Alexandrina «Não posso suportar este nada que eu sou diante de Nosso Senhor. Além do meu sofrimento que é a minha vida sinto em mim como que uma voz poderosa que chega atá o fim do mundo e que chama com um eco que se não mede, clama amor e chama a humanidade a converter-se.»

(Sentimentos da Alma, 21/12/1945)

2017-09-10 — MRBeata

2017-09-10

Alexandrina:

«Sou a Vossa vítima. Bendita seja a cruz amada que me dais. São sei e não posso dizer mais nada.»

(Sentimentos da Alma; 28/12/1945)

 

Alexandrina:

«Que peso o da minha cruz, mas quero-a, amo-a, amo-a para sempre.»

(Sentimentos da Alma; 05/05/1945)

 

Alexandrina:

«Bendita cruz, bendito calvário, meu Jesus. Bendita a fonte, que preparastes para os pobrezinhos, Fazei Jesus, que ela esteja sempre aberta, sempre a correr em grande abundância.»

(Sentimentos da Alma; 22/02/1939)

2017-08-27 — MRBeata

2017-08-27

Jesus a Alexandrina:

 (Alexandrina reproduz em interrogações o que ouve de Jesus:)

«(Alexandrina) Posso tudo, venço tudo, porque a Vossa Divina força me sustenta. Bem-aventurados os humildes. Quanto mais me humilhar, mais Vós me haveis de exaltar.

(Jesus) Alegro e consolo o Vosso Divino Coração com estas palavras? Meu Bom Jesus, consolar-Vos, amar-Vos e salvar-Vos almas é a minha alegria na Terra, Não a sinto, mas sai que é. Tenho coragem? Um esforço mais? Muito obrigada, meu Jesus. Sede sempre comigo.»

(Êxtases; 20/10/1939)

 

Alexandrina reproduz em perguntas o que ouve de Jesus:

«(Jesus) O Céu, o gozo completo é dos humildes e mansos do coração? Jesus ama os corações limpos e puros? Jesus alegra-se na alma que se humilha? É na alma humilhante que Jesus Se exalta? É nos corações pequeninos que Jesus Se esconde para mais tarde aparecer? Jesus ama os corações pequeninos e só neles Se sente bem? Jesus derrama nos corações pequeninos as chamas do Seu Divino amor? O amor de Jesus é tudo na alma desprendida? Como Jesus quer e ama às almas que a Ele se entregam?»

(Êxtases; 19/09/1941)

2017-08-06 — MRBeata

2017-08-06

Alexandrina:

«Só na madrugada consegui descansar: passei as horas a fazer companhia ao meu Jesus: não O sentia, era noite cá fora e noite na alma, mas a minha fé fazia-me crer que estava muito unidinha a Ele. Fazia-lhe muitos pedidos: as consolações ficam para o Céu; eu mesmo sem sentir consolação, os meus desejos era não dormir nem um minuto. Chegou a manhã de hoje e eu triste e desconsolada. Veio o meu Jesus: maior dor ainda, mas o que eu quero é recebê-Lo sempre.»

(C.P.M; 08/11/1939)

2017-07-02 — MRBeata

2017-07-02

Alexandrina:

«Sou de Jesus na alegria, sou de Jesus na tristeza, sou de Jesus nas trevas, nas horríveis tribulações, na pobreza, no abandono total.»

(Autobiografia; pág. 49; 23/07/1938)

 

Jesus a Alexandrina

«Olha: hoje, dia do Meu Divino Coração, renovo a Minha oferta. Aqui O tens embutido no teu, cheio com todo o amor, com todos os tesouros que n’Ele encerra. É a mesma vida: somos dois num só Coração.»

(Sentimentos da Alma; 15/06/1955)

 

«Se o mundo conhecesse esta vida de amor, esta união conjugal de Jesus com a alma virgem, com a alma que escolhe para Sua esposa!»

(Sentimentos da Alma; 01/12/1944)

2017-06-18 — MRBeata

2017-06-18

Alexandrina:

«Agora digo eu: Por quem me sacrifiquei assim? Seria isto também por vaidade? Ó mundo, ó pobre mundo! Vaidade, mas pelo quê? Que somos nós sem Deus? Quem seria capaz de sofrer tanto por uma grandeza e uma vaidade do mundo?»

(Autobiografia)

 

Alexandrina

«Mãezinha, peço-Te esta esmolinha do Céu: quero que o mês de maio seja para mim o último que passo na Terra. Quero ir depressa gozar do Teu Jesus e da Tua doce companhia. Quero continuar junto de Ti a implorar perdão e misericórdia para o mundo Teu.»

(Autobiografia)

2017-06-11 — MRBeata

2017-06-11

Jesus a Alexandrina: «Vive do Meu sangue, vive do Meu amor, comunica-lhes esta vida, fala-lhes das Minhas ameaças, das Minhas queixas e do Meu perdão; fala-lhes com a prudência com que lhes tens falado, é a luz do Espírito Santo a iluminar-te, sou Eu a falar pelos teus lábios.»

(S.A.; 1949)

 

Jesus a Alexandrina: «Sossega, Minha pomba bela, a Minha paz é contigo. Com a consolação e alegria que Me dás esqueço as tuas faltas, faltas que permito para esconder as Minhas maravilhas, o tesouro das Minhas riquezas, o Meu amor infinito. Coragem, estou contigo!»

(S.A.; 1945)

 

Jesus a Alexandrina: «Minha filha, assentamos lugar para sempre no trono de realeza, no trono do teu coração, Eu, Meu Pai e o Espirito Santo. Este para te encher dos Seus dons, do Seu amor, da Sua luz. E sabes para que, Minha esposa querida? Para tu dares, para tu comunicares às almas.»

(S.A.; 1946)

2017-05-21 — MRBeata

2017-05-21

Jesus a Alexandrina:

«“Vem, Minha filha ao Meu coração de Esposo, ao Meu coração de Pai. Levanta-te! Coragem, coragem! Vem a este Coração que te ama loucamente e tu amas loucamente. Vem a este Coração que te pede. Faz, faz que Eu seja amado. Fala do Meu amor. Distribui o Meu amor. Vem, Minha louquinha, vem, pescadora das almas. Repara, olha no amor, no universo os pescadores a lançar as suas redes para ganharem o seu pão e para o alimento corporal da humanidade. As tuas redes são outras. Ó pescadora de Jesus, olha para Mim. Tu lanças-te as redes da dor e do amor neste mar infindo de tanto martírio. Eu puxo para Mim as redes, sobem para Mim as almas.»

(S.A., 02/06/1955)

 

Alexandrina:

«Digne-se Nosso Senhor aceitar-me tão grande sacrifício que estou a fazer para a conversão dos pecadores; tanto me preocupam as almas desses infelizes que tanto ofendem a Jesus! Tenho tanta, tanta pena das alminhas deles! Lembrar-me que uma vez perdidas ficam perdidas para sempre! Que tristeza! Não posso deixar de sofrer tudo e de oferecer todos os sacrifícios para a salvação deles e para desagravar o meu querido Jesus.»

(C.P.M.; 07/01/1936) 

2017-04-23 — MRBeata

2017-04-23

Alexandrina:

«Temo tanto a minha fraqueza! Esta lembrança às quintas feiras foi-me aliviada mas sobrecarrega-me nos outros dias. Ai que medo, ai que medo de ser eu quem faço tudo. Eu quero acreditar no meu Jesus e no meu Paizinho que me fala em nome d 'Ele, mas parece-me que sou incrédula que não acredito. A minha dor faz-me falar assim mas não fique triste que eu acredito em tudo.»

(C.P.M.; 15/05/1940)

 

Alexandrina:

«Que importa que Jesus finja esconder-Se, que o Céu pareça fechar-se e perder tudo da terra e do Céu se Jesus está comigo, se O amo, se estou no lugar onde Ele me quere, e faço em tudo a Sua santíssima vontade! Hei-de confiar n’Ele, quero acreditar cegamente que sou d' Ele, só d’Ele, e eternamente d'Ele.»

(C.P.M.; 15/01/1941)

2017-04-09 — MRBeata

2017-04-09

Alexandrina:

«Toda a Paixão foi muito abandonada. Nosso Senhor só por três vezes me disse umas palavrinhas. Na primeira vez, no Horto, quando o peso da justiça Divina caía sobre mim, Nosso Senhor dizia-me:

“Estás a fazer as Minhas vezes: também sobre Mim vinha tudo isto. Tem coragem, é obra Divina que te dá a força, que te move, que faz tudo isto.”

A segunda vez, no Horto também, eu via-me num abismo tão grande, tão cheio de imundices, pareciam-me que haviam ali todas as misérias e eram minhas. E Nosso Senhor dizia-me:

“Assim como Eu és fiadora: também Eu estava nesse abismo, coberto com todas as misérias.”»

(C.P.M.; 16/06/1039)

 

Jesus a Alexandrina:

«És rica de mim, és rica de virtudes. E por isso que os teus olhares atraem, têm carinhos, têm doçuras, têm prisões, têm amor. É por isso que o teu sorriso tem meiguices, tem tudo o que é do Céu.

Não vives, vivo Eu, são meios de salvação e de chamamento às almas.

Não é verdade, Minha filha, que eu na Minha vida, no Meu Calvário, possuía duas vidas, a humana e a Divina? Até nisso te pareces coMigo. No teu Calvário tens também a vida Divina; é Cristo que está em ti. Nada temas.»

(S.A.; 18/05/1945)

2017-03-26 — MRBeata

2017-03-26

Alexandrina:

«Ó bom Jesus, tem compaixão. Jesus habita no santuário. Vem pecador, vem ao teu Deus. Jesus habita no Sacramento, vem, pecador, é teu Alimento. O corpo de Jesus dá vida eterna, o corpo de Jesus dá vida eterna às almas. Vem, vem pecador, vem pedir perdão. Ao teu Criador, pede compaixão. Vem, vem, pecador, anda, que te escondes.»

 (Êxtases; 12/01/1940)

 

Jesus:

«A minha paixão, a minha morte não salvou a todas porque não querem salvar-se. A tua paixão, a tua morte dará a vida eterna a todos quantos da minha Pátria quiserem gozar. Tem coragem! Ainda que o mundo tenha que sofrer grandes e graves castigos por não se reconciliar comigo será sempre salvo pelo teu sofrimento. Milhões e milhões de almas subirão por ti ao Céu.»

(Sentimentos da Alma, 29/06/1945)

2017-02-19 — MRBeata

2017-02-19

Alexandrina:

«Agora digo eu: Por quem me sacrifiquei assim? Seria isto também por vaidade? Ó mundo, ó pobre mundo! Vaidade, mas pelo quê? Que somos nós sem Deus? Quem seria capaz de sofrer tanto por uma grandeza e uma vaidade do mundo?»

(Autobiografia)

 

Alexandrina

«Mãezinha, peço-Te esta esmolinha do Céu: quero que o mês de maio seja para mim o último que passo na Terra. Quero ir depressa gozar do Teu Jesus e da Tua doce companhia. Quero continuar junto de Ti a implorar perdão e misericórdia para o mundo Teu.»

(Autobiografia)

2017-02-12 — MRBeata

2017-02-12

Alexandrina:

«Sofrerei hoje tudo para me converter deveras para Nosso Senhor, cumprindo em tudo a Sua santíssima vontade, sendo o que Ele quer que eu seja»

(Autobiografia)

 

Alexandrina:

 «A Vossa bela pombinha precisa tanto do conforto de Jesus e não o teve quando estava mais só fingistes que mais só me deixavas? É amor, só amor que Vos obriga a fazer assim? Tinha assim um ramalhete mais belo para oferecer ao meu esposo? Sacrifício, sacrifício tudo é pouco para salvar os pecadores? Penitência, penitência pede jesus ao mundo numa conversão completa?

Que ingratidão vai pelo mundo? Que maldade, que loucura? Que vícios imundos? E tudo isto contra Vós que os amastes tanto? Que morrestes por eles? Sem gota de sangue das Vossas Divinas veias?

(Êxtases, 04/01/1939)

2017-02-05 — MRBeata

2017-02-05

Jesus a Alexandrina:

«Minha filha, Minha filha, anda para o cimo do calvário vem dar tua vida, vem dar teu sangue. É a luz do mundo, é a ressurreição dos pecadores para a graça, para o amor. Queres Minha amada consolar e alegrar assim o Coração do teu divino Esposo Jesus?»

(C.P.M.;02/08/1940)

 

Alexandrina:

«Vós é que a iluminais e dizeis que sou eu? Vós é que sois a luz do mundo e das almas? Tomai-me nos Vossos Divinos braços e não me deixais jamais e eu não quero de lá sair, meu Jesus. E não saio? Tenho uma confiança certa e sem limites? De Vós a espero, meu Jesus.»

(Êxtases.; 11/08/1939)

 

Alexandrina:

«Jesus no coração, a Virgem ao lado da Sua heroína? São ternuras de Esposo, carinhos de Mãe que recebe a louca da Eucaristia? O mundo não conhece o para-raios da humanidade, sem a luz do mundo? Que força irresistível ao Coração de Deus possui este calvário? Jesus ama a Sua benjamina e dela recebe amor? Jesus quer a guerreira das almas mais que às pupilas dos Seus olhos? É a louca da Eucaristia, o amor, o primeiro amor da Jesus?»

(Êxtases, 15/08/1941)

2017-01-01 — MRBeata

2017-01-01

Alexandrina:

«No dia 1, no fim da Sagrada Comunhão, sentia tantos desejos de amar a N. Senhor mas estava fria e parecia-me que não O amava, mas dentro em pouquinho tempo falava-me Nosso Senhor: “Filhinha, sou o teu Jesus. Como Eu te amo! Queres fazer uma troca comigo? Eu dou-te o meu amor e tu retribui-me dando-me o teu amor, e com o teu amor o teu corpinho e o teu espírito para me fazeres companhia nos meus sacrários para Me amares e para obteres o perdão para os pecadores. Todas as vezes to recomendo. Assim como antes de Eu vir ao mundo eram imoladas as vítimas no templo, assim Eu quero imolar o teu corpo como vítima. Dá-me o teu sangue pelos pecados do mundo. Ajuda-me no meu resgate. Sem mim não podes nada; comigo terás poder para tudo, para acudires aos pecadores e muitas, muitas mais coisas. Principia um novo ano, para ti o mais rico de toda a tua vida. Vou encher-te dos meus divinos tesouros, dos meus frutos. Vou abundar-te dos meus dons.»

(C.P.M.; 03/01/1935)

Destaques
/imagens/destaques/rsz_anopastoral2016_17.jpg
Agenda
18 de janeiro 2014
Festival de janeiras
05 de janeiro 2015
Epifania do Senhor
28 e 29 de março
Peregrinação dos jovens a Balasar
7 de janeiro 2018
Epifania do Senhor
30 de março
110.º aniversário do nascimento de Alexandrina
12 fevereiro 2017
Celebração do Dia do Doente - Balasar
8 março 2014
Dia da Criança
6 junho 2013
Eucaristia, Adoração e Pregação | 21h00 - 24h00 | Pe. Dário Pedroso
8/9 junho 2013
Sagrado Lausperene
Novo horário das Eucaristias
Celebrações Eucaristicas
Localização

Ver mapa maior
ContactosMoradaHorários

Tel. Igreja: (00351) 252 951 601

Tel. Fundação: (00351) 252 951 264 

Tlm Fundação: (000351) 963 649 183

E-mail: fundacao@alexandrinadebalasar.com

Rua Alexandrina Maria da Costa, 21

4570-017 Balasar PVZ

GPS     41º 24' 17'' N    8º 37' 31'' W

Receção da Igreja:

segunda feira a sábado

09h00-12h30 e 14h00-18h00

domingo

09h00 às 12h45 e 14h30 às 18h00 

                                      

Casa da Alexandrina:

Inverno

09h00-12h00 e 14h00-18h00

Verão

Semana - 09h00 às 12h00 e 14h00 às 19h00

Domingo e Dia Santo - 08h00 às 19h00