logotipo /imagens/bandeiras/pt.gif   /imagens/bandeiras/gb.gif   /imagens/bandeiras/it.gif   /imagens/bandeiras/es.gif   /imagens/bandeiras/fr.gif
  
Slideshow Image 1 Slideshow Image 2 Slideshow Image 3 Slideshow Image 4 Slideshow Image 5 Slideshow Image 6 Slideshow Image 7 Slideshow Image 8
Apresentação
Palavra do Pároco
Palavra de Deus e revelações privadas
Aparições e revelações
Os Santos e a interpretação da Escritura
Balasar
Beata Alexandrina
História de uma Vida
Missão
Mensagem
Espiritualidade
Mística
Colóquios
Êxtases
Orações
Fátima e Balasar
Alexandrina no mundo
Processo | Glorificação
Serviços
Horários Litúrgicos
Pastoral da Mensagem da Beata Alexandrina
Serviços aos Peregrinos
Peregrinos - Estatísticas
Destaques
Capela da Santa Cruz
Cruz de Cristo
História da Capela S. Cruz
Alexandrina e a Santa Cruz
Fundação
Protocolo
Logótipo
Corpos Gerentes
Arquivo
Notícias
Temas de Reflexão
Meditar e Rezar com a Beata Alexandrina

Oração e Penitência

A oração foi uma constante na vida de Alexandrina desde a sua infância, no seio da sua família, até à sua morte. Aprendemos de Alexandrina a dirigir um olhar ao Senhor pela união da oração:

 

Ainda criança, conhecia e rezava com agrado várias orações:

«À medida que ia crescendo, ia aumentando em mim o desejo da oração. Tudo queria aprender. Ainda conservo as devoções que aprendi na minha infância, como: “Lembrai-vos, ó puríssima Virgem Maria...”, “Ó Senhora minha, ó minha Mãe...”, o oferecimento das obras do dia: “Ofereço-vos, ó meu Deus...”, a oração do Anjo da Guarda, a oração a S. José e várias jaculatórias.

(Autobiografia; pág. 5)

 

 

«Gostava muito de ir à igreja, e chegava-me para junto da minha catequista e rezava tudo quanto ela queria. Não deixava dia nenhum de rezar a estação ao Santíssimo Sacramento, meditada, quer fosse na Igreja, quer em casa ou até pelos caminhos, fazendo sempre a Comunhão espiritual.»

(Autobiografia; pág. 10)

 

 

«Com a perda das forças físicas, fui deixando todas as distrações do mundo; e com o amor que tinha à oração — porque só a orar me sentia bem — habituei-me a viver em união íntima com Nosso Senhor.»

(Autobiografia; pág. 19)

 

 

Jesus pede-lhe oração e penitência:

«Eu quero que se faça penitência e oração. Tu é que estás a aplacar a justiça Divina.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 25/04/1938)

 

 

«Lembra a oração, lembra a penitência.»

(Sentimentos da Alma; 29/10/1948)

 

 

«Acode às almas; fala-lhes na oração e penitência; convida-as a repararem o Meu Divino Coração tão ultrajado.»

(Sentimentos da Alma; 05/11/1948)


 

«... brada ao mundo cruel:

"Pecadores ingratos, orai, fazei penitência, convertei-vos, vinde a Jesus. Eu quero corações puros, abrasados da amor; [...] Como Eu sou ofendido, Minha filha!»

(Sentimentos da Alma; 19/11/1948)

 

 

«Se os pecadores fizessem penitência e oração, se eles se emendassem! Pede-lhes, pede-lhes; é Jesus a falar pelos teus lábios, no teu coração.»

(Sentimentos da Alma; 10/12/1948)

 

 

«Minha filha, heroína forte, alegria do Céu, do Céu que é teu, do Céu que te espera para bem breve. Sofre, sofre! Acode ao mundo! Convida-o, depressa, depressa à oração, à penitência, a deixar o pecado, a vir a Mim!»

(Sentimentos da Alma; 24/06/1955)

 

 

«... diga aos Portugueses que, por muito tempo, façam oração, muita oração, muita penitência e grande reparação.»

(Sentimentos da Alma; 05/03/1949)

 

 

«Faça-se muita oração e penitência. Recebe a gota do Meu Divino Sangue. É só esta vida que vives. Vive-a em união coMigo e com a Santíssima Trindade, este enleio inseparável que ponho em teu coração...»

(Sentimentos da Alma; 13/05/1955)

 

 

Nos êxtases, Alexandrina reproduz em interrogações o que ouve de Jesus:

 

« (Jesus) Vinde depressa ó almas escolhidas por Jesus? Fazei penitência, fazei oração? [...]

Peço a todas as almas oração e penitência? Obrigada meu Jesus.»

(Êxtases; 23/08/1940)


 

« (Jesus) A penitência e a oração depressa farão descer à Terra todas as bençãos e paz de Jesus?»

(Êxtases; 18/10/1940)

 

 

« (Jesus) Levantai-vos, almas piedosas, correi a Jesus, corações inocentes, numa oração digna de atrair o Céu? Pedi perdão e fazei penitência pela pobre humanidade?»

(Êxtases; 30/08/1940)

 

 

« (Jesus) Jesus chama, chama; pede oração, pede penitência, pede a conversão? Poucos são os que escutam a voz de Jesus? E daí vem os males do mundo, a perda das almas? Ó loucos pelos prazeres mundanos, ó cegos de todas as paixões escutai a voz Divina, que doce que ela é!?»

(Êxtases; 11/07/1941)

 

 

« (Jesus) Oração e penitência exige Jesus das almas? Oração e penitência e o novo mundo reconstituído? Oração e penitência e recorrer à Virgem Mãe de Deus com a fé mais viva e o coração mais contrito e ardente? Se o não salva a Virgem nada mais o salvará? Venham junto do meu trono as almas puras, os corações inocentes? Venham as criancinhas, o encanto d’Ela e as pupilas dos olhos de Jesus de Amor? A oração brada ao Céu, a penitência salva o mundo?

(Alexandrina) Ó meu querido Jesus, tende compaixão da pobre humanidade. Dizei, meu Jesus, se o mundo se reconciliar conVosco dais-lhe a paz?»

(Êxtases; 15/07/1940)


 

«Pede oração e penitência e diz ao teu Paizinho que peça também penitência contínua e oração sem cessar.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 27/08/1940)

 

 

Através de Alexandrina, Nossa Senhora pede oração:

«Mostrou-me o seu Coração aberto e, unido ao seu, também aberto, estava O de Jesus. Depois de me acariciar, disse-me:

“Minha filha, minha filha, Jesus pede e Eu peço com Ele oração e reparação. São os crimes que Nos ferem. Coragem, coragem no teu inigualável sofrimento. Eu venho buscar-te breve, levar-te comigo para o Paraíso. Uno o teu coração aos Nossos, para viveres a Nossa dor.»

(Sentimentos da Alma; 06/05/1955)

 

 

Sempre que tinha oportunidade, recomendava a oração:

«Às pessoas que a visitavam recomendava-lhes sempre:

“Recomendem-se à Mãezinha. Rezem o terço.”

E o que aconselhava aos outros fazia-o ela, juntando a família toda à volta da sua cama, antes de dormir, para rezarem o terço.»

(Silva, M. Fernando; “Caminhos de Balasar”; pág.322)

 

 

«De facto, Alexandrina nunca falou a ninguém sem tocar a tecla religiosa: Deus, Alma, Oração, Pecado, Abandono à Providência, Amor e Misericórdia de Jesus, Resignação no Sofrimento, Reparação, Santa Missa, Sacramentos, Nossa Senhora, Rosário... E a sua palavra era de uma eficácia pasmosa.

(Pasquale, Humberto; “Alexandrina”; pág.315; 1.ª edição)

 

 

O Pe. Mariano Pinho, caracteriza assim a sua oração: “simples, afetiva, ardente, sólida, confiante, humilde e perseverante”.

(Pe. Mariano Pinho cit. in Pinho, M.; “No Calvário de Balasar”; pág. (37)

 

 

Através da sua disponibilidade para rezar e sofrer pelos outros, Alexandrina ensina-nos a rezar ao Deus Vivo:

«Quantas graças espirituais e materiais não obteve de Deus para aqueles que de toda a parte vinham visitá-la! Quando não possuía nada para dar, confortava e rezava por aqueles que se lhe recomendavam.»

(Humberto, Pasquale; “Alexandrina”; pág. 324; 1.ª edição)

 

 

No dia da sua morte, anuncia:

«Adeus, até ao Céu! Não pequem! O mundo não vale nada! Isto já diz tudo. Comunguem muitas vezes! Rezem o terço todos os dias!»

(Sentimentos da Alma; 13/10/1955)


 

No Decreto de Virtudes de Alexandrina, é referido que “dedicava-se à oração com assiduidade”.

Acolhamos esta mensagem de Oração da Alexandrina, pois a Oração é o alimento da alma.

 

Destaques
/imagens/destaques/rsz_anopastoral2016_17.jpg
Agenda
2016-2017
Ano Mariano - Fé Contemplada
14 de setembro
Exaltação da Santa Cruz
13 de outubro 2017
62.º aniversário da morte da Beata Alexandrina
31 de outubro
Consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria
Localização

Ver mapa maior
ContactosMoradaHorários

Tel. Igreja: (00351) 252 951 601

Tel. Fundação: (00351) 252 951 264 

Tlm Fundação: (000351) 963 649 183

E-mail: fundacao@alexandrinadebalasar.com

Rua Alexandrina Maria da Costa, 21

4570-017 Balasar PVZ

GPS     41º 24' 17'' N    8º 37' 31'' W

Receção da Igreja:

segunda feira a sábado

09h00-12h30 e 14h00-18h00

domingo

09h00 às 12h45 e 14h30 às 18h00 

                                      

Casa da Alexandrina:

Inverno

09h00-12h00 e 14h00-18h00

Verão

Semana - 09h00 às 12h00 e 14h00 às 16h00

Domingo e Dia Santo - 08h00 às 19h00