logotipo /imagens/bandeiras/pt.gif   /imagens/bandeiras/gb.gif   /imagens/bandeiras/it.gif   /imagens/bandeiras/es.gif   /imagens/bandeiras/fr.gif
  
Slideshow Image 1 Slideshow Image 2 Slideshow Image 3 Slideshow Image 4 Slideshow Image 5 Slideshow Image 6 Slideshow Image 7 Slideshow Image 8
Apresentação
Palavra do Pároco
Palavra de Deus e revelações privadas
Aparições e revelações
Os Santos e a interpretação da Escritura
Balasar
Beata Alexandrina
História de uma Vida
Missão
Mensagem
Espiritualidade
Mística
Colóquios
Êxtases
Orações
Fátima e Balasar
Alexandrina no mundo
Processo | Glorificação
Serviços
Horários Litúrgicos
Pastoral da Mensagem da Beata Alexandrina
Serviços aos Peregrinos
Peregrinos - Estatísticas
Destaques
Capela da Santa Cruz
Cruz de Cristo
História da Capela S. Cruz
Alexandrina e a Santa Cruz
Fundação
Protocolo
Logótipo
Corpos Gerentes
Arquivo
Notícias
Temas de Reflexão
Meditar e Rezar com a Beata Alexandrina

Almas Vítimas

Na liberdade que nos foi concedida por Deus, muitas almas insistem em viver no pecado. Pelo infinito amor que Jesus nos tem, Ele vem e pede almas vítimas para que os pecadores se possam salvar:

 

«Eu quero corações puros, abrasados da amor; Eu quero tantos almas vítimas que se imolem fielmente, que reparem tantos crimes antes que a justiça Divina se incendeie. O que vai pelo mundo! Como Eu sou ofendido, Minha filha!»

(Sentimentos da Alma; 19/11/1948)

 

 

«Sofre e pede que sofram; quero dor, muita dor. A dor foi, é e será maior meio de salvação. Com a dor, o sangue e a vida foi aberto o Céu. Com a dor, o sangue e a vida das Minhas vítimas as almas são salvas. São salvas as almas mas não o mundo poupado!»

(Sentimentos da Alma; 09/03/1951)


 

«Há tantas (almas) que desperdiçam os Meus dons, as Minhas graças. Sofre, sofre, Minha filha. O mundo exige o teu sofrimento. Só as vítimas o podem salvar. Só as vítimas podem aplacar a justiça de Meu Pai. Tenho tão poucas! O número das que se deixam imolar com amor e heroísmo é tão pequenino!

Dá-Me, dá-Me, Minha filha, o teu coração. Renova-Me a tua oferta. Dá-mo com todos os corações dos homens. Tenho fome, tenho sede; fome e sede devoradoras, fome e sede infinitas. Sacia-Me, sacia-Me, consola-Me.»

(Sentimentos da Alma; 04/07/1952)

 


«Necessito de almas vítimas para ao terminar desses caminhos que terminam num só, às portas do inferno, para não deixarem entrar para lá as almas.»

(Sentimentos da Alma; 29/10/1948)


 

«As almas, as almas, acode-lhes, filha Minha. Eu quero almas justas, almas vítimas, para repararem a justiça de Meu Pai.»

(Sentimentos da Alma; 05/11/1948)

 


Aliado ao desejo de salvar as almas, por parte de Alexandrina, Jesus expressa a enorme necessidade da as salvar.

Nos êxtases, Alexandrina reproduz em interrogações o que ouve de Jesus:

 

« (Jesus) Criaste-as (almas) para amar-Vos? Antes destes-lhes o exemplo? Fizestes tudo por amor? Crucificais as Vossas vítimas por amor? Quantos mais sofrimentos mais são amadas por Jesus? Que amor tão mal compreendido? Quantos tem errada ideia de ser um castigo?»

(Êxtases; 12/02/1939)

 

 

« (Jesus) Se o mundo tivesse mais vítimas da minha (de Alexandrina) generosidade, não recebiam tantos castigos?

(Alexandrina) Arranjai-as Jesus. Enchei-as do Vosso amor e elas depois não Vos negam nada.»

(Êxtases; 24/03/1939)

 

 

« (Jesus) São as trevas e imundícies em que o mundo se sepultou. Só as almas vítimas o poderão salvar.»

(Êxtases; 02/10/1940)

 

 

« (Jesus) Jesus delicia-se nas almas vítimas? Jesus enamora-se dos corações puros? Jesus está triste, porque é ofendido?»

(Êxtases; 17/10/1941)

 

 

« (Jesus) Ó mundo que tanto careces de novas vítimas para que se possa salvar?

(Alexandrina) Escolhei-as, meu Bom Jesus, para que se salvem todas as almas e não vão para o inferno.

(Jesus) Andais à volta delas como a avezinha à volta do ninho? E elas recusam o sofrimento? Querem amar-Vos mas com consolação? Almas generosas encontrais tão poucas? O mais que encontrais são florinhas frágeis que com qualquer sopro caem por terra? Q Vosso Divino Coração sofre, sente-se amargurado?»

(Êxtases; 03/11/1939)

 

 

«(Jesus) Tem a louquinha de Jesus que sofre muito para que se convertam?

(Alexandrina) Ó meu Jesus, se eu pudesse viver milhões e milhões de anos, mundos e mundos, mas pudesse conseguir salvar todas as almas e se ainda pudesse arrancar as que já estão no inferno.

(Jesus) Nunca, nunca poderão ser salvas? Depressa, depressa salvar as que vivem?»

(Êxtases; 11/07/1941)

 

 

« (Jesus) Ai do mundo se nele não houvesse vítimas; ai do mundo se nele não houvesse amor? A alma crucificada alegra-se em sofrer por Jesus; só a dor lhe causa alegria? Nunca em século nenhum foi tão precisa a dor como é agora?

(Alexandrina) Porque razão, meu Jesus?

(Jesus) Porque nunca fostes tão ofendido como agora sois?»

(Êxtases; 28/06/1940)

 

 

« (Jesus) Ditosa a alma que segue a Jesus? Ditosa a alma que O ama? Mas mais ditosa a que O ama sem condição, nem reserva? A alma que ama a Jesus aceita o sofrimento, aceita a cruz? Alegra-se no Calvário? Consola-se na dor? Busca em tudo a glória e a consolação de Jesus? Feliz alma!? Ditosa alma!? O Céu a espera!? Quisera Jesus um grande número delas? Encontra tão poucochinhas!? Jesus precisa de vítimas de dor e de amor? Reparai, almas ditosas;»

(Êxtases, 27/09/1940)

 

 

« (Jesus) Avante, ó louca da Eucaristia, pede oração e penitência e as vítimas de Jesus são a salvação da humanidade?

(Alexandrina) Imolai-me, Jesus, a cada momento.»

(Êxtases; 09/05/1941)

Destaques
/imagens/destaques/rsz_anopastoral2016_17.jpg
Agenda
2016-2017
Ano Mariano - Fé Contemplada
8 e 9 de julho 2017
Festa do Senhor da Cruz
14 de setembro
Exaltação da Santa Cruz
13 de outubro 2017
62.º aniversário da morte da Beata Alexandrina
31 de outubro
Consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria
Localização

Ver mapa maior
ContactosMoradaHorários

Tel. Igreja: (00351) 252 951 601

Tel. Fundação: (00351) 252 951 264 

Tlm Fundação: (000351) 963 649 183

E-mail: fundacao@alexandrinadebalasar.com

Rua Alexandrina Maria da Costa, 21

4570-017 Balasar PVZ

GPS     41º 24' 17'' N    8º 37' 31'' W

Receção da Igreja:

segunda feira a sábado

09h00-12h30 e 14h00-18h00

domingo

09h00 às 12h45 e 14h30 às 18h00 

                                      

Casa da Alexandrina:

Inverno

09h00-12h00 e 14h00-18h00

Verão

Semana - 09h00 às 12h00 e 14h00 às 16h00

Domingo e Dia Santo - 08h00 às 19h00