logotipo /imagens/bandeiras/pt.gif   /imagens/bandeiras/gb.gif   /imagens/bandeiras/it.gif   /imagens/bandeiras/es.gif   /imagens/bandeiras/fr.gif
  
Slideshow Image 1 Slideshow Image 2 Slideshow Image 3 Slideshow Image 4 Slideshow Image 5 Slideshow Image 6 Slideshow Image 7 Slideshow Image 8
Apresentação
Palavra do Pároco
Palavra de Deus e revelações privadas
Aparições e revelações
Os Santos e a interpretação da Escritura
Balasar
Beata Alexandrina
História de uma Vida
Missão
Mensagem
Espiritualidade
Mística
Colóquios
Êxtases
Orações
Fátima e Balasar
Alexandrina no mundo
Processo | Glorificação
Serviços
Horários Litúrgicos
Pastoral da Mensagem da Beata Alexandrina
Serviços aos Peregrinos
Peregrinos - Estatísticas
Destaques
Capela da Santa Cruz
Cruz de Cristo
História da Capela S. Cruz
Alexandrina e a Santa Cruz
Fundação
Protocolo
Logótipo
Corpos Gerentes
Arquivo
Notícias
Temas de Reflexão
Meditar e Rezar com a Beata Alexandrina

Matrimónio Espiritual

O matrimónio espiritual é uma fusão de duas vidas: Deus e a alma unem-se, em que não há segredos, a alma torna-se imaculada e jamais se separará de Jesus. O mesmo aconteceu a Alexandrina, a sua alma fundiu-se com Jesus tornando-se indissolúvel.

 

Alexandrina é uma das virgens que ascendeu à união matrimonial com o “Divino Esposo”.

Eis a celebração espiritual desta união:

«Foi sexta feira. Fiquei como junto de Jesus, O Qual me estendeu a Sua Mão Divina. Fechou a Sua direita na minha, pondo-me a esquerda sobre o ombro.

Diante de nós havia uma taça como acontece nos matrimónios, e ouvi como uma benção de núpcias que descia do Alto…

Estava por cima o Espírito Santo e quem nos uniu, foi o Eterno Pai. Estava também presente a Mãe do Céu.»

(Diálogo entre Pe. Humberto e Alexandrina cit. in Pasquale, H.;

“Alexandrina”; pág. 246; 1.ª edição)

 

 

«“Minha filha, anjo da Terra, flor minha, flor cândida do Paraíso. Vem, Minha filha, receber mais uma prova do Meu esponsório contigo, da Minha união conjugal.”

Neste momento, Jesus tomou a minha mão, beijou-me e acariciou-me e estreitou-me docemente a Ele. Fiquei como que a nadar num mar de gozo, num mar de amor. Jesus continuou:

“Recebe uma efusão do Meu Divino Amor, recebe-o porque é a tua vida e tu és vida das almas.”»

(Sentimentos da Alma; 29/12/1944)

 

 

«Escolhi-te para Minha esposa; aceitas-te, preferiste-Me a nenhum outro esposo. Escolhi-te para vítima, aceitaste: e que vítima tens sido, vítima que a nenhum outro posso igualar.»

(Sentimentos da Alma; 14/01/1949)

 

 

«Se o mundo conhecesse esta vida de amor, esta união conjugal de Jesus com a alma virgem, com a alma que escolhe para Sua esposa!»

(Sentimentos da Alma; 01/12/1944)

 

 

Jesus chama-lhe “Esposa”

 

Jesus, inúmeras vezes, dirige-se a Alexandrina como “Esposa”:

 

«Minha filha, tomei-te para os Meus braços para te defender, e todas as vezes que seja preciso, Eu te defenderei. Aceitei a tua oferta de te dares a Mim; tomei-a bem à letra. Consolou-Me muito a simplicidade com que te ofereceste! Escolhi-te para Mim ainda no ventre de tua Mãe, para que dentro em pouco, e bem depressa chegou, te pudesse chamar Minha esposa.»

(16/09/1937; Cartas ao Padre Mariano Pinho; 24/09/1937)

 

 

«Minha filha, venho falar-te hoje para testemunhar a loucura de amor que Eu e a Minha Imaculada Mãe temos por ti. Ela ao ver a honra que por teu intermédio lhe vai ser tributada, inclina-se tão docemente sobre ti elevando-te à mais elevada altura de esposa fiel, de esposa querida, de esposa toda e só de Jesus.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 04/02/1938)

 

 

«Ó filha querida, consola-Nos (Jesus e Maria), ó esposa Minha, ama-Nos tanto, tanto que passamos esquecer tanta dor.»

(Sentimentos da Alma; 10/1948)

 

 

«Minha filha, esposa fiel, esposa querida, confia em Mim que não falto, confia em Mim que sou a verdade.»

(Sentimentos da Alma; 29/10/1948)

 

 

«Ó filha amada, ó esposa querida, que grande reparação me dás!»

(Sentimentos da Alma; 26/11/1948)

 

 

«Descansa, descansa, recebe conforto nesta união do teu Esposo Jesus. Que ternas e doces delícias! [...] Isto é prémio da sua (do Dr. Dias de Azevedo) firmeza à Minha Divina causa e amparo prestado à esposa fidelíssima, à esposa mais amada de Jesus.»

(Sentimentos da Alma; 04/12/1948)

 

 

«Ó Jesus, usai da Vossa Misericórdia para com todos os que Vos ofendem. Eu deixo-me imolar, para que se salvem as almas. Dá-Me dor, acode-lhes, esposa amada.»

(Sentimentos da Alma; 10/12/1948)

 

 

«Vai, filha amada, vai, esposa querida de Jesus, dá-Nos o teu sofrimento, dá-Nos a tua cruz. Leva o Nosso amor, a Nossa proteção e carinho para todos os que te rodeiam, amam e amparam»

(Sentimentos da Alma; 05/03/1949)

 

 

«Minha filha, coragem, coragem, esposa predileta do Meu Divino Coração. Eu não vim agora. Eu sempre estou neste tabernáculo de delícias. Sempre estou contigo.»

(Sentimentos da Alma; 27/05/1955)

 

Nos êxtases, Alexandrina reproduz em interrogações o que ouve de Jesus:

 

« (Jesus) Eu sou a Vossa Alexandrina, a Vossa esposa predileta? Não podeis amar-me mais? Que loucura de amor tendes por mim? Se me dáveis todo o Vosso amor voava num instante para os anjinhos, para a Pátria que me espera?»

(Êxtases; 21/12/1938)

 

 

« (Jesus) Avante sempre abraçada à cruz? Nada tem que temer a esposa de Jesus e a vítima que por Ele e pelas almas se deixa imolar?»

(Êxtases; 05/04/1940)

 

« (Jesus) Oh! Como é belo, belo, belo, o lugar da Vossa esposa, da Vossa Amada, da Vossa louquinha, da Vossa heroína!? Obrigada, meu Jesus. Obrigada, meu Amor.»

(Êxtases; 21/06/1940)

 

 

« (Jesus) E Jesus comola-se, alegra-se unido à Sua esposa?»

(Êxtases; 11/10/1940)

 

 

« (Jesus) Eu sou a fonte da água mais pura, da água mais cristalina onde o meu Jesus, o meu esposo vem saciar-se? Sim lírio perfumado?»

(Êxtases; 20/10/1938)

 

 

« (Jesus) Quereis dizer bem claro que sou a Vossa esposa mais amada?»

(Êxtases; 28/12/1938)

 

Jesus: “Esposo das almas”

 

«Ó Esposo das almas, ó Rei de amor,

Vem ao meu peito, oh vem a mim!»

(Êxtases; 14/06/1940)

 

 

« (Jesus) Coragem! Coragem! Depois da batalha vem a paz. Mas não é a paz que dão os Homens, que dá o mundo. É a paz de um Deus amante, de um Deus esposo das almas.»

(Êxtases; 13/11/1938)

 

Destaques
/imagens/destaques/rsz_anopastoral2016_17.jpg
Agenda
2016-2017
Ano Mariano - Fé Contemplada
14 de setembro
Exaltação da Santa Cruz
13 de outubro 2017
62.º aniversário da morte da Beata Alexandrina
31 de outubro
Consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria
Localização

Ver mapa maior
ContactosMoradaHorários

Tel. Igreja: (00351) 252 951 601

Tel. Fundação: (00351) 252 951 264 

Tlm Fundação: (000351) 963 649 183

E-mail: fundacao@alexandrinadebalasar.com

Rua Alexandrina Maria da Costa, 21

4570-017 Balasar PVZ

GPS     41º 24' 17'' N    8º 37' 31'' W

Receção da Igreja:

segunda feira a sábado

09h00-12h30 e 14h00-18h00

domingo

09h00 às 12h45 e 14h30 às 18h00 

                                      

Casa da Alexandrina:

Inverno

09h00-12h00 e 14h00-18h00

Verão

Semana - 09h00 às 12h00 e 14h00 às 16h00

Domingo e Dia Santo - 08h00 às 19h00