logotipo /imagens/bandeiras/pt.gif   /imagens/bandeiras/gb.gif   /imagens/bandeiras/it.gif   /imagens/bandeiras/es.gif   /imagens/bandeiras/fr.gif
  
Slideshow Image 1 Slideshow Image 2 Slideshow Image 3 Slideshow Image 4 Slideshow Image 5 Slideshow Image 6 Slideshow Image 7 Slideshow Image 8
Apresentação
Palavra do Pároco
Palavra de Deus e revelações privadas
Aparições e revelações
Os Santos e a interpretação da Escritura
Balasar
Beata Alexandrina
História de uma Vida
Missão
Mensagem
Espiritualidade
Mística
Colóquios
Êxtases
Orações
Fátima e Balasar
Alexandrina no mundo
Processo | Glorificação
Serviços
Horários Litúrgicos
Pastoral da Mensagem da Beata Alexandrina
Serviços aos Peregrinos
Peregrinos - Estatísticas
Destaques
Capela da Santa Cruz
Cruz de Cristo
História da Capela S. Cruz
Alexandrina e a Santa Cruz
Fundação
Protocolo
Logótipo
Corpos Gerentes
Arquivo
Notícias
Temas de Reflexão
Meditar e Rezar com a Beata Alexandrina

Amor à Mãezinha

As famílias portuguesas nutrem grande carinho à Virgem Maria, a “nossa Mãe do Céu”. A casa de Alexandrina não era exceção e, desde criança, Alexandrina aprendeu orações marianas e, ao longo dos anos da sua vida, foi contemplando as virtudes da “Mãezinha”, imitando-as: o serviço, a pureza, a confiança, etc.

 

 

Oração mariana de Alexandrina

 

Nas orações diárias, pedia a intercessão de Maria para que a sua voz chegasse a Jesus:

«Jesus, vou convidar a Mãezinha! É Ela quem Vos vai falar por mim. Vou e venho já, sim, meu Jesus? Avé, Maria, cheia de graça, eu vos saúdo, cheia de graça! Mãezinha, vinde comigo para os Sacrários, vinde cobrir o meu Jesus de amor. Oferecei-lhe tudo quanto se passar em mim, tudo quanto tenho costume de oferecer, tudo quanto se possa imaginar como atos de amor para Nosso Senhor Sacramentado.

Dizia três vezes

“Graças e louvores se deem a cada momento... (ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento), e fazia a Comunhão espiritual já descrita. Nesta altura, dizia tudo isto que se segue, para Ela repetir ao seu amado Filho, por mim:

“Ó Jesus, cá está a Mãezinha, escutai-A, é Ela quem Vos vai falar por mim.

Ó querida Mãezinha do Céu, ide dar beijinhos aos Sacrários, beijos sem conta, abraços sem conta, mimos sem conta, carícias sem conta, tudo para Jesus Sacramentado, tudo para a Santíssima Trindade, tudo para Vós! Multiplicai-os muito, muito e dai-os de um puro e santo amor, de um amor que não possa mais amar, cheios de umas santas saudades por não poder ir eu beijar e abraçar a Jesus Sacramentado e à Santíssima Trindade e a Vós, minha Mãe querida. Pois não sois vós a criatura mais amada e mais querida de Jesus? Oh! Dai-os então em meu nome, com esse amor com que amais e sois amada.”»

(Autobiografia; pág. 23)

 

«Ó meu Jesus, eu quero, com esta Comunhão e com esta desolação, consolar a Mãezinha querida para que por Ela sejais Vós consolado.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 13/07/1939)

 

 

«Ó Mãezinha, eu quero andar de Sacrários em Sacrários a pedir favores a Jesus, como a abelhinha de flor em flor, a chupar-lhe o néctar! [...] Mãezinha, falai no meu coração e nos meus lábios, fazei mais fervorosas as minhas orações e mais valiosos os meus pedidos»

(Autobiografia; pág. 22)

 

 

«Mãezinha, minha querida Mãezinha, dai-me a Vossa bendita mão: é por Jesus que eu combato, é para lhe dar as almas, mas não posso só. Socorre-me, ó Mãezinha querida, tem dó da pobre filhinha que sempre te amou e em ti confia!»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 26/11/1939)

 

 

Verdadeiro Amor à Mãezinha

 

«Era de noite que desabafava com Jesus e com a Mãezinha. Benditas lágrimas que mais me uniram a Jesus e Maria, e mais firmaram a minha confiança n’Eles.»

(Autobiografia; pág.32)

 

 

Em 1936, na véspera da sua primeira morte mística, pensando que iria morrer, cantava:

«Feliz, oh! feliz

Se eu tal conseguia,

Morrer a cantar

O nome de Maria!

Feliz quem mil vezes,

Na longa agonia,

Com amor repete

O nome de Maria.»

(Autobiografia; pág. 40)

 

 

«Vou para os braços do meu querido Jesus e da minha querida Mãezinha, perco-me neles. Não tenho mais aflição; acabam-se-me as ânsias de amor, encontrei tudo o que podia encontrar.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 11/07/1938)

 

 

«Só no Coração Santíssimo do meu Jesus ou da querida Mãezinha tenho refúgio seguro.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 24/10/1939)

 

 

« ... a minha querida Mãezinha trouxe-me sempre nos Seus Santíssimos braços debaixo do Seu Divino manto. Ai de mim se não fora Jesus e Maria!»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 20/05/1940)

 

 

Durante um êxtase:

«Na coroação de espinhos descansei nos braços da Mãezinha, senti que o seu manto me cobria, a sua Santíssima mão acariciava-me, o rosto d’Ela junto ao meu suavizava a minha dor. Sentia-me cansada, sem alegria. Em seus braços não vinham ferir-me, mas quando fui para eles já ia em sangue.»

(Sentimentos da Alma; 20/03/1942)

 

 

Pensamentos Soltos: Maria

 

«Coração meu, não te demores, vai ao encontro da tua Celeste Mãe, vai banhar-te naquele amor puro, vai perfumar-te com os aromas das mais heróicas virtudes, vai revestir-te, vai enriquecer-te com os tesouros da tua Mãe Bendita para poderes preparar para o teu Jesus um coração tão puro, uma morada digna de Jesus, para o Rei da criação habitar.»

(Pensamentos Soltos; pág. 10; 14/08/1938)

 

 

«Mãe, Mãezinha, a Ti recorro com confiança. Estou cega, dá-me luz; não tenho força, ampara-me; como Mãe enche-me do teu amor, para que com ele só a Ti ame e ao teu e meu querido Jesus.»

(Pensamentos Soltos; pág. 19; Natal de 1940)

 

 

«Mãezinha, faz de mim o teu Jesus. Toma-me em teus braços, cobre-me com o teu manto, inclina-me sobre o Teu Coração e incendeia no meu as chamas do teu coração.

Só a ti quero amar e ao teu e meu Jesus»

(Pensamentos Soltos; pág. 21; 30/03/1942)

 

 

«Ó Mãezinha do Céu, eis aqui, aos vossos pés, uma alma que vos deseja amar. Ó minha amável Senhora, mas quero um amor que seja capaz de tudo sofrer só por amor de Vós, por amor do meu querido Jesus. […] Ó minha Mãezinha do Céu, lá do trono em que estais, vede este meu triste viver. Vinde em meu auxílio, abençoai-me e pedi a Jesus por mim.»

(Pensamentos Soltos; pág. 80)

 

 

«Querida Mãezinha;

Ao principiar o teu mês bendito venho pedir-Te a Tua benção e o teu amor para eu poder amar o Teu e o meu querido Jesus. Quero amá-lo tanto, tanto, quero ser uma louquinha de amor, quero só viver e morrer de amor.»

(Pensamentos Soltos: pág. 22; 20/04/1941)

 

 

«Mãezinha, em Ti vejo luz, paz e amor. Queima-me, abrasa-me no amor que Te consome, guarda-me em Teu coração. Sim, Mãezinha, contigo amo a Jesus e venço sempre as humilhações.»

(Pensamentos Soltos; pág. 28; 03/12/1942)

 

 

Jesus e Maria a Alexandrina

 

«Jesus veio logo, sentou-se ao lado da Mãezinha e esta continuou:

“Minha filha, vem comigo, vamos salvar o mundo, vamos converter os pecadores. Sobre o teu o coração, coloco esta cruz, para te fazer sentir que é a cruz da salvação. Dor e cruz, abraça, abraça-a.

Nas tuas mãos enleio o Rosário. Fala dele, fala dele. Se soubesses quanto nos tens consolado!

Fala às almas, fala-lhes da Eucaristia, fala-lhes do Rosário. Que elas se alimentem da Carne, do Corpo de Cristo e do alimento da oração, do meu Terço quotidiano."»

(Sentimentos da Alma; 08/10/1954)

 

 

 

Nossa Senhora: «Minha filha, Eu sou a Virgem do Rosário.  Estou contente contigo por aconselhares a rezarem ao menos o terço em minha honra; continua; é devoção de salvação.»

(Sentimentos da Alma; 01/10/1949)

 

 

Consagração do mundo ao I. C. de Maria

Alexandrina teve um papel singular no desejo divino na Consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria.

Eis o pedido de Jesus a Alexandrina:

«Diz ao teu Pai Espiritual que lhe pede Jesus e Maria, que escreva ao Papa para que Ele consagre o mundo ao Imaculado Coração da Virgem Mãe. Toda a Humanidade está a agonizar debaixo da justiça do Eterno Pai. Só Ela o poderá salvar. De contrário será todo carbonizado com fogo vingador. Diz-lhe que peça ao Papa que faça ecoar em toda a Humanidade as palavras de Jesus. Convertei-vos, fazei oração, fazei penitência.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 03/05/1941)

 

 

Escreve o Pe. Humberto Pasquale, segundo diretor espiritual:

«À súplica ardente: “Transforma-me, ó Jesus, na tua Eucaristia!”, a Alexandrina havia acrescentado uma outra: “Mãezinha, Mãezinha querida, quero ser de Jesus!”.

Esta oração, que encerra um ardor singular, tem na ascética cristã uma importância teológica, que é necessário pôr em relevo.

(Pe. Humberto cit. in Pasquale; Pasquale, H.; “Alexandrina”; pág. 152; 1.ª edição)

 

 

Movimentos Marianos

Alexandrina pertenceu a vários movimentos marianos.

No dia 18 de outubro de 1933, Alexandrina entrou na Pia União das Filhas de Maria. Esta União pretendia formar religiosamente as jovens e incutir-lhes uma boa vida espiritual com amor a Nossa Senhora.

 

A Alexandrina associou-se à pia Obra das Marias dos Sacrários-Calvários. Este definia a Obra das Marias como uma obra de reparação eucarística para partilhar e reparar com Maria Imaculada a solidão de Jesus nos Sacrários mais abandonados ou pouco frequentados.

 

Nos meses de maio, Alexandrina elaborava as “florinhas”: uma intenção diária de oração. Vejamos alguns exemplos:

 

«O mês de Maria, em 1935 – Desejosa de consolar a Mãezinha e por seu amor sofrer alguma coisa, pensei em escrever nuns pedacinhos de papel uns pensamentos todos os dias do mês de Maio. Em cada dia tirava um à sorte e procurava viver segundo o que estava escrito. Isto só com o fim de consolar Jesus por meio da Mãezinha. Eis o que saiu para cada dia do mês:

 

1 – Por amor de Maria Santíssima e de Jesus Sacramentado, sofrerei tudo para obter um amor doido a Jesus Sacramentado e para que seja amado de todos no Santíssimo Sacramento.

 

2 – Por amor de Maria Santíssima e de Jesus Sacramentado, sofrerei tudo pelas intenções do meu padrinho e família.

 

3 – Por amor de Maria Santíssima e de Jesus Sacramentado, sofrerei tudo pelos pecadores que me estão muito recomendados.

...  »

(Autobiografia)

Destaques
/imagens/destaques/rsz_anopastoral2016_17.jpg
Agenda
2016-2017
Ano Mariano - Fé Contemplada
8 e 9 de julho 2017
Festa do Senhor da Cruz
14 de setembro
Exaltação da Santa Cruz
13 de outubro 2017
62.º aniversário da morte da Beata Alexandrina
31 de outubro
Consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria
Localização

Ver mapa maior
ContactosMoradaHorários

Tel. Igreja: (00351) 252 951 601

Tel. Fundação: (00351) 252 951 264 

Tlm Fundação: (000351) 963 649 183

E-mail: fundacao@alexandrinadebalasar.com

Rua Alexandrina Maria da Costa, 21

4570-017 Balasar PVZ

GPS     41º 24' 17'' N    8º 37' 31'' W

Receção da Igreja:

segunda feira a sábado

09h00-12h30 e 14h00-18h00

domingo

09h00 às 12h45 e 14h30 às 18h00 

                                      

Casa da Alexandrina:

Inverno

09h00-12h00 e 14h00-18h00

Verão

Semana - 09h00 às 12h00 e 14h00 às 16h00

Domingo e Dia Santo - 08h00 às 19h00