logotipo /imagens/bandeiras/pt.gif   /imagens/bandeiras/gb.gif   /imagens/bandeiras/it.gif   /imagens/bandeiras/es.gif   /imagens/bandeiras/fr.gif
  
Slideshow Image 1 Slideshow Image 2 Slideshow Image 3 Slideshow Image 4 Slideshow Image 5 Slideshow Image 6 Slideshow Image 7 Slideshow Image 8
Apresentação
Palavra do Pároco
Palavra de Deus e revelações privadas
Aparições e revelações
Os Santos e a interpretação da Escritura
Balasar
Beata Alexandrina
História de uma Vida
Missão
Mensagem
Espiritualidade
Mística
Colóquios
Êxtases
Orações
Fátima e Balasar
Alexandrina no mundo
Processo | Glorificação
Serviços
Horários Litúrgicos
Pastoral da Mensagem da Beata Alexandrina
Serviços aos Peregrinos
Peregrinos - Estatísticas
Destaques
Capela da Santa Cruz
Cruz de Cristo
História da Capela S. Cruz
Alexandrina e a Santa Cruz
Fundação
Protocolo
Logótipo
Corpos Gerentes
Arquivo
Notícias
Temas de Reflexão
Meditar e Rezar com a Beata Alexandrina

Amor à Mãezinha

As famílias portuguesas nutrem grande carinho à Virgem Maria, a “nossa Mãe do Céu”. A casa de Alexandrina não era exceção e, desde criança, Alexandrina aprendeu orações marianas e, ao longo dos anos da sua vida, foi contemplando as virtudes da “Mãezinha”, imitando-as: o serviço, a pureza, a confiança, etc.

 

 

Oração mariana de Alexandrina

 

Nas orações diárias, pedia a intercessão de Maria para que a sua voz chegasse a Jesus:

«Jesus, vou convidar a Mãezinha! É Ela quem Vos vai falar por mim. Vou e venho já, sim, meu Jesus? Avé, Maria, cheia de graça, eu vos saúdo, cheia de graça! Mãezinha, vinde comigo para os Sacrários, vinde cobrir o meu Jesus de amor. Oferecei-lhe tudo quanto se passar em mim, tudo quanto tenho costume de oferecer, tudo quanto se possa imaginar como atos de amor para Nosso Senhor Sacramentado.

Dizia três vezes

“Graças e louvores se deem a cada momento... (ao Santíssimo e Diviníssimo Sacramento), e fazia a Comunhão espiritual já descrita. Nesta altura, dizia tudo isto que se segue, para Ela repetir ao seu amado Filho, por mim:

“Ó Jesus, cá está a Mãezinha, escutai-A, é Ela quem Vos vai falar por mim.

Ó querida Mãezinha do Céu, ide dar beijinhos aos Sacrários, beijos sem conta, abraços sem conta, mimos sem conta, carícias sem conta, tudo para Jesus Sacramentado, tudo para a Santíssima Trindade, tudo para Vós! Multiplicai-os muito, muito e dai-os de um puro e santo amor, de um amor que não possa mais amar, cheios de umas santas saudades por não poder ir eu beijar e abraçar a Jesus Sacramentado e à Santíssima Trindade e a Vós, minha Mãe querida. Pois não sois vós a criatura mais amada e mais querida de Jesus? Oh! Dai-os então em meu nome, com esse amor com que amais e sois amada.”»

(Autobiografia; pág. 23)

 

«Ó meu Jesus, eu quero, com esta Comunhão e com esta desolação, consolar a Mãezinha querida para que por Ela sejais Vós consolado.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 13/07/1939)

 

 

«Ó Mãezinha, eu quero andar de Sacrários em Sacrários a pedir favores a Jesus, como a abelhinha de flor em flor, a chupar-lhe o néctar! [...] Mãezinha, falai no meu coração e nos meus lábios, fazei mais fervorosas as minhas orações e mais valiosos os meus pedidos»

(Autobiografia; pág. 22)

 

 

«Mãezinha, minha querida Mãezinha, dai-me a Vossa bendita mão: é por Jesus que eu combato, é para lhe dar as almas, mas não posso só. Socorre-me, ó Mãezinha querida, tem dó da pobre filhinha que sempre te amou e em ti confia!»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 26/11/1939)

 

 

Verdadeiro Amor à Mãezinha

 

«Era de noite que desabafava com Jesus e com a Mãezinha. Benditas lágrimas que mais me uniram a Jesus e Maria, e mais firmaram a minha confiança n’Eles.»

(Autobiografia; pág.32)

 

 

Em 1936, na véspera da sua primeira morte mística, pensando que iria morrer, cantava:

«Feliz, oh! feliz

Se eu tal conseguia,

Morrer a cantar

O nome de Maria!

Feliz quem mil vezes,

Na longa agonia,

Com amor repete

O nome de Maria.»

(Autobiografia; pág. 40)

 

 

«Vou para os braços do meu querido Jesus e da minha querida Mãezinha, perco-me neles. Não tenho mais aflição; acabam-se-me as ânsias de amor, encontrei tudo o que podia encontrar.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 11/07/1938)

 

 

«Só no Coração Santíssimo do meu Jesus ou da querida Mãezinha tenho refúgio seguro.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 24/10/1939)

 

 

« ... a minha querida Mãezinha trouxe-me sempre nos Seus Santíssimos braços debaixo do Seu Divino manto. Ai de mim se não fora Jesus e Maria!»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 20/05/1940)

 

 

Durante um êxtase:

«Na coroação de espinhos descansei nos braços da Mãezinha, senti que o seu manto me cobria, a sua Santíssima mão acariciava-me, o rosto d’Ela junto ao meu suavizava a minha dor. Sentia-me cansada, sem alegria. Em seus braços não vinham ferir-me, mas quando fui para eles já ia em sangue.»

(Sentimentos da Alma; 20/03/1942)

 

 

Pensamentos Soltos: Maria

 

«Coração meu, não te demores, vai ao encontro da tua Celeste Mãe, vai banhar-te naquele amor puro, vai perfumar-te com os aromas das mais heróicas virtudes, vai revestir-te, vai enriquecer-te com os tesouros da tua Mãe Bendita para poderes preparar para o teu Jesus um coração tão puro, uma morada digna de Jesus, para o Rei da criação habitar.»

(Pensamentos Soltos; pág. 10; 14/08/1938)

 

 

«Mãe, Mãezinha, a Ti recorro com confiança. Estou cega, dá-me luz; não tenho força, ampara-me; como Mãe enche-me do teu amor, para que com ele só a Ti ame e ao teu e meu querido Jesus.»

(Pensamentos Soltos; pág. 19; Natal de 1940)

 

 

«Mãezinha, faz de mim o teu Jesus. Toma-me em teus braços, cobre-me com o teu manto, inclina-me sobre o Teu Coração e incendeia no meu as chamas do teu coração.

Só a ti quero amar e ao teu e meu Jesus»

(Pensamentos Soltos; pág. 21; 30/03/1942)

 

 

«Ó Mãezinha do Céu, eis aqui, aos vossos pés, uma alma que vos deseja amar. Ó minha amável Senhora, mas quero um amor que seja capaz de tudo sofrer só por amor de Vós, por amor do meu querido Jesus. […] Ó minha Mãezinha do Céu, lá do trono em que estais, vede este meu triste viver. Vinde em meu auxílio, abençoai-me e pedi a Jesus por mim.»

(Pensamentos Soltos; pág. 80)

 

 

«Querida Mãezinha;

Ao principiar o teu mês bendito venho pedir-Te a Tua benção e o teu amor para eu poder amar o Teu e o meu querido Jesus. Quero amá-lo tanto, tanto, quero ser uma louquinha de amor, quero só viver e morrer de amor.»

(Pensamentos Soltos: pág. 22; 20/04/1941)

 

 

«Mãezinha, em Ti vejo luz, paz e amor. Queima-me, abrasa-me no amor que Te consome, guarda-me em Teu coração. Sim, Mãezinha, contigo amo a Jesus e venço sempre as humilhações.»

(Pensamentos Soltos; pág. 28; 03/12/1942)

 

 

Jesus e Maria a Alexandrina

 

«Jesus veio logo, sentou-se ao lado da Mãezinha e esta continuou:

“Minha filha, vem comigo, vamos salvar o mundo, vamos converter os pecadores. Sobre o teu o coração, coloco esta cruz, para te fazer sentir que é a cruz da salvação. Dor e cruz, abraça, abraça-a.

Nas tuas mãos enleio o Rosário. Fala dele, fala dele. Se soubesses quanto nos tens consolado!

Fala às almas, fala-lhes da Eucaristia, fala-lhes do Rosário. Que elas se alimentem da Carne, do Corpo de Cristo e do alimento da oração, do meu Terço quotidiano."»

(Sentimentos da Alma; 08/10/1954)

 

 

 

Nossa Senhora: «Minha filha, Eu sou a Virgem do Rosário.  Estou contente contigo por aconselhares a rezarem ao menos o terço em minha honra; continua; é devoção de salvação.»

(Sentimentos da Alma; 01/10/1949)

 

 

Consagração do mundo ao I. C. de Maria

Alexandrina teve um papel singular no desejo divino na Consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria.

Eis o pedido de Jesus a Alexandrina:

«Diz ao teu Pai Espiritual que lhe pede Jesus e Maria, que escreva ao Papa para que Ele consagre o mundo ao Imaculado Coração da Virgem Mãe. Toda a Humanidade está a agonizar debaixo da justiça do Eterno Pai. Só Ela o poderá salvar. De contrário será todo carbonizado com fogo vingador. Diz-lhe que peça ao Papa que faça ecoar em toda a Humanidade as palavras de Jesus. Convertei-vos, fazei oração, fazei penitência.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 03/05/1941)

 

 

Escreve o Pe. Humberto Pasquale, segundo diretor espiritual:

«À súplica ardente: “Transforma-me, ó Jesus, na tua Eucaristia!”, a Alexandrina havia acrescentado uma outra: “Mãezinha, Mãezinha querida, quero ser de Jesus!”.

Esta oração, que encerra um ardor singular, tem na ascética cristã uma importância teológica, que é necessário pôr em relevo.

(Pe. Humberto cit. in Pasquale; Pasquale, H.; “Alexandrina”; pág. 152; 1.ª edição)

 

 

Movimentos Marianos

Alexandrina pertenceu a vários movimentos marianos.

No dia 18 de outubro de 1933, Alexandrina entrou na Pia União das Filhas de Maria. Esta União pretendia formar religiosamente as jovens e incutir-lhes uma boa vida espiritual com amor a Nossa Senhora.

 

A Alexandrina associou-se à pia Obra das Marias dos Sacrários-Calvários. Este definia a Obra das Marias como uma obra de reparação eucarística para partilhar e reparar com Maria Imaculada a solidão de Jesus nos Sacrários mais abandonados ou pouco frequentados.

 

Nos meses de maio, Alexandrina elaborava as “florinhas”: uma intenção diária de oração. Vejamos alguns exemplos:

 

«O mês de Maria, em 1935 – Desejosa de consolar a Mãezinha e por seu amor sofrer alguma coisa, pensei em escrever nuns pedacinhos de papel uns pensamentos todos os dias do mês de Maio. Em cada dia tirava um à sorte e procurava viver segundo o que estava escrito. Isto só com o fim de consolar Jesus por meio da Mãezinha. Eis o que saiu para cada dia do mês:

 

1 – Por amor de Maria Santíssima e de Jesus Sacramentado, sofrerei tudo para obter um amor doido a Jesus Sacramentado e para que seja amado de todos no Santíssimo Sacramento.

 

2 – Por amor de Maria Santíssima e de Jesus Sacramentado, sofrerei tudo pelas intenções do meu padrinho e família.

 

3 – Por amor de Maria Santíssima e de Jesus Sacramentado, sofrerei tudo pelos pecadores que me estão muito recomendados.

...  »

(Autobiografia)

Destaques
/imagens/destaques/rsz_anopastoral2016_17.jpg
Agenda
2016-2017
Ano Mariano - Fé Contemplada
30 março 2017
113º aniversário do nascimento da Beata Alexandrina
25 de abril 2017
13.º aniversário da Beatificação de Alexandrina
Localização

Ver mapa maior
ContactosMoradaHorários

Tel. Igreja: (00351) 252 951 601

Tel. Fundação: (00351) 252 951 264 

E-mail: fundacao@alexandrinadebalasar.com

Rua Alexandrina Maria da Costa, 21

4570-017 Balasar PVZ

GPS     41º 24' 17'' N    8º 37' 31'' W

 

Receção da Igreja:

segunda feira a sábado

09h00-12h30 e 14h00-18h00

domingo

09h00 às 12h45 e 14h30 às 19h00 (horário verão)

                                        ou 18h00 (horário inverno)

 

Casa da Alexandrina:

09h00-12h00 e 14h00-19h00