logotipo /imagens/bandeiras/pt.gif   /imagens/bandeiras/gb.gif   /imagens/bandeiras/it.gif   /imagens/bandeiras/es.gif   /imagens/bandeiras/fr.gif
  
Slideshow Image 1 Slideshow Image 2 Slideshow Image 3 Slideshow Image 4 Slideshow Image 5 Slideshow Image 6 Slideshow Image 7 Slideshow Image 8
Apresentação
Palavra do Pároco
Palavra de Deus e revelações privadas
Aparições e revelações
Os Santos e a interpretação da Escritura
Balasar
Beata Alexandrina
História de uma Vida
Missão
Mensagem
Espiritualidade
Mística
Colóquios
Êxtases
Orações
Fátima e Balasar
Alexandrina no mundo
Processo | Glorificação
Serviços
Horários Litúrgicos
Pastoral da Mensagem da Beata Alexandrina
Serviços aos Peregrinos
Peregrinos - Estatísticas
Destaques
Capela da Santa Cruz
Cruz de Cristo
História da Capela S. Cruz
Alexandrina e a Santa Cruz
Fundação
Protocolo
Logótipo
Corpos Gerentes
Arquivo
Notícias
Temas de Reflexão
Meditar e Rezar com a Beata Alexandrina

Inferno

O que é o inferno?

«Consiste na condenação eterna daqueles que, por escolha livre, morrem em pecado mortal. A pena principal do inferno é a eterna separação de Deus, o único em quem o homem encontra a vida e a felicidade para que foi criado, e a que aspira.» (CIC; 212)

 

No amor infinito que a Senhor tem cada alma, Ele permitiu que Alexandrina se sentisse indigna de estar em comunhão com Deus, isto é, condenada ao inferno. Tudo com a finalidade de oferecer esses sofrimentos para que as almas se convertessem e se voltassem para Jesus.

 

 

Aos nove anos, sucedeu um episódio com a Alexandrina, que demonstra a sua firmeza em ser de Deus:

«Foi aos nove anos que fiz pela primeira vez a minha confissão geral e foi com o Sr. Pe. Manuel das Chagas. Fomos, a Deolinda, eu e a minha prima Olívia, a Gondifelos, onde Sua Reverência se encontrava, e lá nos confessámos todas três. Levámos merenda e ficámos para tarde, à espera do sermão. Esperámos algumas horas e recorda-me que não saímos da igreja para brincar. Tomámos nosso lugar junto do altar do Sagrado Coração de Jesus e eu pus os meus soquinhos dentro das grades do altar. A pregação dessa tarde foi sobre o inferno. Escutei com muita atenção todas as palavras de Sua Reverência, mas, a certa altura, ele convidou-nos a ir ao inferno em espírito. Para mim mesma disse:

Ao inferno é que eu não vou! Quando todos se dirigirem para lá, eu vou-me embora!”, e tratei de pegar nos soquinhos. Como não vi ninguém sair, fiquei também, não largando mais os soquinhos.»

(Autobiografia; pág. 9)

 

 

No mês de maio, Alexandrina oferecia uma “florinha” cada dia, por determinada intenção. Eis a florinha do dia 21 de maio de 1936:

«Por amor de Jesus e da minha Mãezinha do Céu, sofrerei tudo neste dia pela conversão dos pecadores do mundo inteiro. Tanto, que não queria que fossem mais alminhas para o inferno!...»

(Autobiografia; pág. 35)

 

 

Alexandrina implora a Nossa Senhora:

«Ó Mãezinha, ó querida Mãezinha, sêde comigo, não me deixeis pecar; prefiro o inferno à mais pequenina ofensa contra Jesus e contra Vós.»

(Sentimentos da Alma; 02/04/1949)

 

 

Alexandrina fala do inferno

 

Alexandrina “vê” o horror infernal e sente-se condenada para assim, salvar almas:

 

«Que o Céu seja comigo. Sinto-me como se estivesse condenada ao inferno, a minha alma sente aqueles horrorosos suplícios. [...]

Quando sinto que estou nesse desespero eterno, sinto sobre mim o peso da justiça Divina. Querer ver a Deus e não poder. É mais, milhões de vezes mais doloroso, do que todo o tormento do inferno. A minha alma treme de medo, apavorada. Oh, quantos sofrimentos indizíveis se passam em mim!»

(Sentimentos da Alma; 13/08/1945)

 

 

«Perder a Deus, nunca mais ver a Deus. De vez em quando, sem nisso pensar, sem refletir, é este o meu brado da minha alma: Nunca mais ver a Deus, perder a Deus e perdê-lo para sempre. É o que ela sente, que a obriga a bradar muitas vezes: Perder a Deus, perder a Deus!

Minha pobre alma, quanto sofres! Continuo a sentir-me condenada ao inferno. [...] Sem poder conformar-se com a perda de Deus, sentia uma tal desesperação, mas não era eu que estava desesperada, que me obrigava a revoltar-me contra o próprio Deus, a amaldiçoá-Lo, assim como ao meu Anjo da Guarda, Pais e companheiros de pecado e caminhos que me levaram a ele; amaldiçoava-me a mim mesma, todo o Céu e toda a Terra. Que horror constante! Sabia que só do inferno era digna, mas não podia conformar-me com aquela habitação e com a perda de Deus!»

(Sentimentos da Alma; 16/08/1945)

 

 

«Perder a Deus é perda irremediável. Se no meio dos tormentos do inferno eu pudesse ver e amar a Deus, deixaria de ser inferno. Perdi tudo, todos os dons e graças recebidos, todas as boas obras e orações, toda a luz do Espirito Santo e santas inspirações, toda a grandeza de Deus: nada veja, nada tenho. Mesmo sem eu querer, são estes os desabafos da minha alma. Não sei dizer a aflição que nela sinto, é desesperadora. Que tristeza e escuridão! Nada há que a conforte. Se voltasse a possuir a Deus, se pudesse vê-Lo! Mas, ai, nunca mais!

Para que foi tanta vida na Terra? Para nada aproveitar. Tudo perdido.

Não vejo aquela grandeza de Deus, mas sinto-a no meio dos tormentos eternos, para mais sentir os horrores e peso da sua justiça Divina.»

(Sentimentos da Alma; 19/08/1945)

 

 

«Quando poderei deixar de obedecer para não ter de dizer os sentimentos da minha alma? Queria que morressem e desaparecessem em mim, como eu sinto que morri e desapareci.

Tudo vive, tudo canta e bendiz ao Senhor; as avezinhas e tudo o mais o louvam, só eu não. Não é louvado por mim, não é amado. A minha vida não existe, foi uma vida perdida. Quantas vezes saem da minha alma arrancos e desabafos quase desesperados: maldita foi a minha vida; melhor não tivesse nascido! Maldito leite que me alimentou e malditos os que me criaram!

E as labaredas do inferno estendem-se sobre mim. Tudo é horror.»

(Sentimentos da Alma; 21/08/1945)

 

 

«Arde o inferno dentro e fora de mim. Perdi a Deus, perdi o Céu, é o inferno a minha habitação. É e será eternamente. Que horrores, que sustos desesperadores. Sinto que me ceguei e me matei a mim mesma. Fui eu, só eu a causa da minha perda eterna. Tudo são uivos e horrores infernais.»

(Sentimentos da Alma 30/08/1945)

 

 

«Estou a sentir horrores da justiça Divina e continuo na minha louca e desgraçada vida. Estou cega, estou cega. Só me encantam os desvarios e loucuras do mundo. Na alma não penso na minha salvação eterna. Que triste vida, que triste morte!»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 20/05/1940)

 

 

«Nosso Senhor ainda não estava satisfeito com os sofrimentos do dia: veio já a altas horas da noite e disse-me:

“Anda, Minha filha, para as portas do inferno para evitares que as almas caiam lá. Anda para ele sofrer os sofrimentos que devia sofrer aquelas que nele deviam cair.”

Então principiei a sofrer horrorosamente.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 15/08/1940)

 

 

«Jesus inclinou-me ao Seu Divino Coração, ficou em silêncio, mas eu bradei Lhe:

"Não deixeis, Jesus, a justiça Divina cair sobre nós, não deixeis as almas irem para o inferno nem deixeis fugir nenhuma das Vossas vítimas."»

(Sentimentos da Alma; 19/11/1948)

 

Jesus pede reparação

 

«Repara, repara, não as deixes cair no inferno. Esperava amor; tinha o direito de todo o amor, mas oh foi o contrário. Ódio aceso, expulsaram-Me dos seus corações, depois de Me rasgarem todas as veias do Corpo e de Me abrirem o Meu Coração. Vou a fugir, vou a fugir.».

(Sentimentos da Alma; 24/06/1955)

 

 

Uma das provações vividas por Alexandrina foi a noite escura da fé e o sentir-se indigna do amor de Deus:

«Que tristeza eu sinto com a separação do meu Deus! Parece-me que nunca mais me posso juntar a Ele: nem nunca mais O verei. O Céu não é para mim; Sinto Nosso Senhor a repelir-me d’Ele. Que sofrimento o dos condenados! Avalio o tormento deles. Só este bastava para eles sofrerem no inferno. Que horror! Quanto se deve evitar o pecado só para nunca perder a Jesus nem ferir o Seu Amante Coração.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 27/04/1940)

Destaques
/imagens/destaques/rsz_anopastoral2016_17.jpg
Agenda
2016-2017
Ano Mariano - Fé Contemplada
14 de setembro
Exaltação da Santa Cruz
13 de outubro 2017
62.º aniversário da morte da Beata Alexandrina
31 de outubro
Consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria
Localização

Ver mapa maior
ContactosMoradaHorários

Tel. Igreja: (00351) 252 951 601

Tel. Fundação: (00351) 252 951 264 

Tlm Fundação: (000351) 963 649 183

E-mail: fundacao@alexandrinadebalasar.com

Rua Alexandrina Maria da Costa, 21

4570-017 Balasar PVZ

GPS     41º 24' 17'' N    8º 37' 31'' W

Receção da Igreja:

segunda feira a sábado

09h00-12h30 e 14h00-18h00

domingo

09h00 às 12h45 e 14h30 às 18h00 

                                      

Casa da Alexandrina:

Inverno

09h00-12h00 e 14h00-18h00

Verão

Semana - 09h00 às 12h00 e 14h00 às 16h00

Domingo e Dia Santo - 08h00 às 19h00