logotipo /imagens/bandeiras/pt.gif   /imagens/bandeiras/gb.gif   /imagens/bandeiras/it.gif   /imagens/bandeiras/es.gif   /imagens/bandeiras/fr.gif
  
Slideshow Image 1 Slideshow Image 2 Slideshow Image 3 Slideshow Image 4 Slideshow Image 5 Slideshow Image 6 Slideshow Image 7 Slideshow Image 8
Apresentação
Palavra do Pároco
Palavra de Deus e revelações privadas
Aparições e revelações
Os Santos e a interpretação da Escritura
Balasar
Beata Alexandrina
História de uma Vida
Missão
Mensagem
Espiritualidade
Mística
Colóquios
Êxtases
Orações
Fátima e Balasar
Alexandrina no mundo
Processo | Glorificação
Serviços
Horários Litúrgicos
Pastoral da Mensagem da Beata Alexandrina
Serviços aos Peregrinos
Peregrinos - Estatísticas
Destaques
Capela da Santa Cruz
Cruz de Cristo
História da Capela S. Cruz
Alexandrina e a Santa Cruz
Fundação
Protocolo
Logótipo
Corpos Gerentes
Arquivo
Notícias
Temas de Reflexão
Meditar e Rezar com a Beata Alexandrina

Colóquio com Nossa Senhora

“És rainha dos pecadores, és rainha do mundo escolhida por Jesus e por Maria.”

Alexandrina: «Longe de raiar o dia, dia que para mim não raiou, principiei a fazer as minhas orações e a preparar-me para a visita do meu Jesus. Não podia rezar cheia de pavor sobrecarregada de vergonha, dor e humilhações. Era levada de casa em casa, de rua em rua; sofria no mais íntimo da alma. Chorava para dentro; para dentro suspirava.

Os meus lábios não podiam ter uma palavra de queixume. Esmagava-me o peso das humilhações. Meu Deus, que dor tão íntima e tão profunda, era como uma dor sem fim. Não era capaz de ver onde ela podia parar.

“Jesus, como poderei suportar tão grande martírio! Se me faltais não resisto morro, morro depressa. Com esta dor não pude ter um momento de alegria, nem podia lembrar-me que era o dia da Mãezinha, dia tão predileto para mim, dia da Imaculada Conceição. Nem ao menos podia respirar. Jesus, pobre de mim, não posso estar aqui!”

Veio Jesus. Aqueceu-me logo com o calor do seu amor Divino. Acariciou-me.

Jesus: “A tua dor, Minha filha, é dor de salvação. Esse mar imenso de sangue que continuamente derramas do teu coração é onde são mergulhados os pecadores. É no sangue da tua dor que eles são purificados, é sangue da nova redenção. Tu és a segunda arca de Noé. Em ti guardo os pecadores, em ti como nessa arca, guardo tudo para a vida do novo mundo.

A tua dor, a tua imolação é dor e humilhação de vida mais para as almas que para os corpos. Coragem, filhinha, nada temas. A chuva que sobre a nova arca cai não é de condenação é de salvação. É chuva de humilhações, desprezos e sacrifícios. A arca não tem perigo, navega nas alturas. Uma vez que baixem as águas da perseguição, verá o mundo a riqueza que continha, que era de salvação.

Filhinha, amada querida, Eu não estou sozinho, está comigo a Minha bendita Mãe. Escuta o que ela te diz.”

Alexandrina: Jesus à esquerda, a Mãezinha, à direita, tomou-me para o seu regaço, apertou-me fortemente contra o seu Santíssimo Coração, cobriu-me de carícias e disse-me:

Nossa Senhora: “Minha filha, venho com o meu Divino Filho fazer-te a entrega da humanidade e fechá-la em teu coração; ficam as chaves na posse do teu Jesus e da tua querida Mãezinha. Dei-te o meu santíssimo manto e a Minha coroa de Rainha; foste coroada por mim. És rainha dos pecadores, és rainha do mundo escolhida por Jesus e por Maria.

Hoje, dia da Minha Imaculada Conceição, fazemos-te a entrega do teu reinado; principia desde hoje, é teu, governa-o, guarda-o. Guarda-o na Terra assim como o guardarás e governarás depois nos Céus.

Escolhi este dia que em Minha honra é guardado para que em união comigo seja festejado o dia em que te entreguei o reinado da humanidade. Quando o mundo disto tiver conhecimento, comigo serás louvada.”

Alexandrina: Senti como se me abrissem o peito dentro o coração; foi aberto por Jesus e pela Mãezinha. Depois de depositarem nele alguma coisa, fecharam-no novamente. Fechou-o à chave a Mãezinha e depois Jesus. Bafejaram-no e acalentaram-no docemente. Depois fiquei entre Jesus e a Mãezinha como no meio duma prensa. De tanto que me estreitavam entre os Seus Corações Divinos, parecia-me não poder resistir a tanto amor, ir morrer naquelas duas chamas Divinas. Uma vez a Mãezinha, outra vez Jesus, uniram Seus Lábios aos meus, bafejavam-me e davam-me a Sua Vida Divina.

E a Mãezinha continuou:

Nossa Senhora: “Filhinha amada, querida do meu Jesus, recebe a vida de que vives, recebe a vida do Céu, recebe-a e dá-a às almas.”

E continuou Jesus:

 “Minha pomba bela, branco lírio, pura açucena, estrela cintilante que cintilarás noite e dia para luz e guia dos pecadores, para luz e guia de quantos Me quiserem seguir e amar com amor mais puro e mais forte. Coragem, filhinha, coragem amada; não temas a guerra do mundo! Espera-te o Céu para te abraçar, espera-te o Céu para nele guardar o maior tesouro que tenho na Terra. És de Jesus, és da Mãezinha. Espera-te toda a Corte Celeste.”

 

Alexandrina:

Ó Conceição pura, ó Mãe de Jesus,

Guarda o meu corpo cravado na cruz;

Cravado na cruz, à cruz abraçado,

Guarda-o, Mãezinha, ó Conceição pura,

Mãe do meu Esposo amado.

 

Recebi novas carícias de Jesus e da Mãezinha, fiz-lhe a entrega de mim mesma e de todos os que me são queridos e por fim do mundo inteiro, incluindo também os que me fazem sofrer.

“Mãezinha, faço-Vos eu a entrega da humanidade, guardai-a que é Vossa, salvai-a; só Vós podeis. Envergonho-me por ter recebido de vós a entrega do mundo. Que pode esta miséria sem a vossa proteção? Ó Jesus, ó Mãezinha, a Vós me entrego como o soldado que quer combater e defender o Vosso reinado. Quero lutar, quero obedecer: mandai, eu com a vossa graça tudo cumprirei; serei forte. Com a graça e a força do Alto será salvo o mundo. Desprendi-me de Jesus e da Mãezinha com grande custo; unida a eles, vencia o mundo, nada temia. Agora tudo temo, nada posso. Ai que saudades tenho do Céu! Quando irei para lá?”»

(Sentimentos da Alma; 08/12/1944; sexta feira; dia da Imaculada Conceição)

Destaques
/imagens/destaques/rsz_anopastoral2016_17.jpg
Agenda
2016-2017
Ano Mariano - Fé Contemplada
14 de setembro
Exaltação da Santa Cruz
13 de outubro 2017
62.º aniversário da morte da Beata Alexandrina
31 de outubro
Consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria
Localização

Ver mapa maior
ContactosMoradaHorários

Tel. Igreja: (00351) 252 951 601

Tel. Fundação: (00351) 252 951 264 

Tlm Fundação: (000351) 963 649 183

E-mail: fundacao@alexandrinadebalasar.com

Rua Alexandrina Maria da Costa, 21

4570-017 Balasar PVZ

GPS     41º 24' 17'' N    8º 37' 31'' W

Receção da Igreja:

segunda feira a sábado

09h00-12h30 e 14h00-18h00

domingo

09h00 às 12h45 e 14h30 às 18h00 

                                      

Casa da Alexandrina:

Inverno

09h00-12h00 e 14h00-18h00

Verão

Semana - 09h00 às 12h00 e 14h00 às 16h00

Domingo e Dia Santo - 08h00 às 19h00