logotipo /imagens/bandeiras/pt.gif   /imagens/bandeiras/gb.gif   /imagens/bandeiras/it.gif   /imagens/bandeiras/es.gif   /imagens/bandeiras/fr.gif
  
Slideshow Image 1 Slideshow Image 2 Slideshow Image 3 Slideshow Image 4 Slideshow Image 5 Slideshow Image 6 Slideshow Image 7 Slideshow Image 8
Apresentação
Palavra do Pároco
Palavra de Deus e revelações privadas
Aparições e revelações
Os Santos e a interpretação da Escritura
Balasar
Beata Alexandrina
História de uma Vida
Missão
Mensagem
Espiritualidade
Mística
Colóquios
Êxtases
Orações
Fátima e Balasar
Alexandrina no mundo
Processo | Glorificação
Serviços
Horários Litúrgicos
Pastoral da Mensagem da Beata Alexandrina
Serviços aos Peregrinos
Peregrinos - Estatísticas
Destaques
Capela da Santa Cruz
Cruz de Cristo
História da Capela S. Cruz
Alexandrina e a Santa Cruz
Fundação
Protocolo
Logótipo
Corpos Gerentes
Arquivo
Notícias
Temas de Reflexão
Meditar e Rezar com a Beata Alexandrina

Via Sacra


(Estas orações são baseadas em textos da Beata Alexandrina recolhidos pelo seu segundo diretor espiritual e maior biógrafo: Pe. Humberto Pasquale, S.D.B.)

 

 

“Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo,

tome a sua cruz, dia após dia, e siga-me.” (Lc 9, 23)

 

 

Jesus convida a Alexandrina a tomar parte na corredenção humana:

«Dá-Me as tuas mãos, que as quero cravar coMigo;

dá-Me os teus pés, que os quero cravar coMigo;

dá-Me a tua cabeça, que a quero coroar de espinhos, como Me

fizeram a Mim; dá-Me o teu coração, que o quero trespassar com a

lança, como Me trespassaram a Mim; consagra-Me todo o teu corpo;

oferece-te toda a Mim, que te quero possuir por completo.»

 

A Via Sacra que apresentamos é composta por textos da Sagrada Escritura e textos da Beata Alexandrina, onde descreve a Paixão Mística que experimentava à semelhança de Jesus.

Façamos esta Via Sacra, seguindo os passos do Salvador.

 

 

 

PRIMEIRA ESTAÇÃO

Jesus é condenado à morte

 

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Cristo;

R. Porque com a Vossa Santa cruz remistes o mundo.

 

 

Do Evangelho de S. Mateus (Mt 27, 22-23)

“Pilatos disse-lhes: «Que hei-de fazer, então, de Jesus chamado Cristo?» Todos responderam: «Seja crucificado!» Pilatos insistiu: «Que mal fez Ele?» Mas eles cada vez gritavam mais: «Seja crucificado!»”

 

 

Alexandrina (refere-se a Jesus)

«Sou tratado como um louco, pouco importa. (…) Crucifica-O! Crucifica-O! Raiva satânica; Sou preferido a Barrabás! Diz-me, se na verdade és o Filho de Deus! Se Vos digo, não Me acreditais. Mas em verdade, em verdade vos digo, que em breve Me vereis à direita do Pai com todo o poder para vos julgar. Não haja nada entre ti e esse justo. Senhor Divino! Este homem é inocente! Castigá-lo-ei e no fim o soltarei. Crucifica-O! Crucifica-O! Vais para a coluna!» (E.; 1940)

 

 

(Silêncio)      Tende compaixão de nós, Senhor.

 

 

 

SEGUNDA ESTAÇÃO

Jesus é carregado com a Cruz

 

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Cristo;

R. Porque com a Vossa Santa cruz remistes o mundo.

 

 

Do Evangelho de S. João (Jo 19, 17)

“Jesus, levando a cruz às costas, saiu para o chamado Lugar da Caveira, que em hebraico se diz Gólgota…”

 

 

Alexandrina (refere-se a Jesus)

«Recebi a cruz: esmagada, curvada com o seu peso, caí debaixo dela no mesmo lugar.» (S.A.; 1945) «Tomei a cruz, abracei-a, segui o Calvário. Aquela tremenda montanha, grande com se fora o mundo inteiro…» (S.A.; 1949) «Não foi a cruz que levei em meus ombros, foi o mundo inteiro; senti-o bem.» (S.A.; 1949)

 

 

(Silêncio)      Tende compaixão de nós, Senhor.

 

 

TERCEIRA ESTAÇÃO

Jesus cai pela primeira vez

 

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Cristo;

R. Porque com a Vossa Santa cruz remistes o mundo.

 

 

Do Profeta Isaías (Is 53; 2)

“Vimo-lo sem aspeto atraente, desprezado e abandonado pelos homens, como alguém cheio de dores, habituado ao sofrimento, diante do qual se tapa o rosto, menosprezado e desconsiderado.”

 

 

Alexandrina (refere-se a Jesus)

«E na mesma união hoje caí com a cruz. Ela pesava sobre mim. Um braço dela caiu-me sobre o peito e feriu-me o coração. Por uns momentos fiquei desfalecida, como se não tivesse vida. Os algozes fitaram-me curiosos, pensando eu ter morrido. Novo furor me arrastou fortemente e fez bater nas lajes. Novas fontes de sangue se abriram dos espinhos da minha cabeça. Mas mesmo assim do meu coração só saia amor e compaixão por eles.» (S.A.; 1946)

 

 

(Silêncio)      Tende compaixão de nós, Senhor.

 

 

 

QUARTA ESTAÇÃO

Jesus encontra sua Mãe

 

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Cristo;

R. Porque com a Vossa Santa cruz remistes o mundo.

 

 

Do Evangelho de S. Lucas (Lc 2, 34-35)

“Simeão abençoou-os e disse a Maria, sua mãe: «Este menino está aqui para queda e ressurgimento de muitos em Israel e para ser sinal de contradição; uma espada trespassará a tua alma. Assim hão-de revelar-se os pensamentos de muitos corações.»”

 

 

Alexandrina (refere-se a Jesus)

«Senti o caminho do meu calvário, saiu-me ao encontro a Mãezinha; fitou-me, eu fitei-a a Ela. Uniram-se os Nossos corações na mesma dor. A troca dos Nossos olhares não se demoraram, tive que caminhar à frente, maltratada, empurrada, arrastada. Mas a dor dos Nossos corações não se separou.» (S.A.; 1945)

 

 

(Silêncio)      Tende compaixão de nós, Senhor.

 

 

 

QUINTA ESTAÇÃO

Jesus é ajudado por Simão de Cirene

 

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Cristo;

R. Porque com a Vossa Santa cruz remistes o mundo.

 

 

Do Evangelho de S. Mateus (Mt 27, 32)

“À saída, encontraram um homem de Cirene, chamado Simão, e obrigaram-no a levar a cruz de Jesus.”

 

 

Alexandrina (refere-se a Jesus)

«Tomei a cruz, caí repetidas vezes; ia a cada passo a expirar. Caía e sobre mim ficava a cruz. Não por dó, mas por receio queriam alguém que a levasse. Houve quem caminhasse com ela, não por amor, mas por ser mandado; mas mesmo assim quanto amor senti o meu coração dispensar-lhe. Que grande paga!» (S.A.; 1945)

 

 

(Silêncio)      Tende compaixão de nós, Senhor.

 

 

 

SEXTA ESTAÇÃO

Verónica limpa o rosto de Jesus

 

 

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Cristo;

R. Porque com a Vossa Santa cruz remistes o mundo.

 

 

Do Livro dos Salmos (Sl 27; 8-9)

“O meu coração murmura por ti, os meus olhos te procuram; é a tua face que eu procuro, SENHOR. Não desvies de mim o teu rosto…”

 

 

Alexandrina (refere-se a Jesus)

«Neste caminho vem ao meu encontro a mulher, a mulher querida compadecida da minha dor. Com que ternura e amor limpa do meu rosto o suor, o sangue e o pó. Os laços de mais estreita amizade prendem os nossos corações. É indizível o que queria dizer dela, os louvores que queria dar-lhe. Oh! Como queria que ela fosse falada por este ato tão heróico.» (S.A.; 1945) «Ao ser limpo o Seu Santíssimo Rosto, Ele deixou-o impresso vivamente e eu sentia que aquele rosto Santíssimo, aquele retrato sem igual havia de ser visto enquanto o mundo existir.» (S.A.; 1945)

 

 

(Silêncio)      Tende compaixão de nós, Senhor.

 

 

 

SÉTIMA ESTAÇÃO

Jesus cai pela segunda vez

 

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Cristo;

R. Porque com a Vossa Santa cruz remistes o mundo.

 

 

Do Profeta Isaías (Is 53, 4-5)

“Na verdade, ele tomou sobre si as nossas doenças, carregou as nossas dores. Nós o reputávamos como um leproso, ferido por Deus e humilhado. Mas foi ferido por causa dos nossos crimes, esmagado por causa das nossas iniquidades.”

 

 

Alexandrina (refere-se a Jesus)

«Subo a grande montanha do Calvário, caio por tantas vezes e quantas vezes fico como se o meu corpo já fosse um cadáver, um cadáver desconhecido. O sangue que lhe corre pelo rosto não o deixo ver. O corpo é pior ainda do que o de um leproso desfeito. O coração vai sequioso, há-de vencer pelas almas, há-de morrer por elas.» (S.A.; 1945)

 

 

(Silêncio)      Tende compaixão de nós, Senhor.

 

 

 

OITAVA ESTAÇÃO

Jesus encontra as mulheres de Jerusalém

 

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Cristo;

R. Porque com a Vossa Santa cruz remistes o mundo.

 

 

Do Evangelho de S. Lucas (Lc 23; 27-29)

“Seguiam Jesus uma grande multidão de povo e umas mulheres que batiam no peito e se lamentavam por Ele. Jesus voltou-se para elas e disse-lhes: «Filhas de Jerusalém, não choreis por mim, chorai antes por vós mesmas e pelos vossos filhos...»”

 

 

Alexandrina (refere-se a Jesus)

«Não choreis por mim, chorai por vós, por Vossos filhos, por Vossos pecados que são a causa da minha morte…» (E; 1939) Ao seguir, hoje, as ruas estreitas do Calvário seguiam-no algumas mulheres; choravam amargamente, à vista de tantos sofrimentos. Caminhava e fitava-as com olhar de compaixão. O coração murmulhava-lhes: não choreis por mim, mas por vós, chorai as vossas culpas, são a causa das minhas dores.» (S.A.; 1946)

 

 

(Silêncio)      Tende compaixão de nós, Senhor.

 

 

 

NONA ESTAÇÃO

Jesus cai pela terceira vez

 

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Cristo;

R. Porque com a Vossa Santa cruz remistes o mundo.

 

 

Do Profeta Isaías (Is 53; 6-7)

“Todos nós andávamos desgarrados como ovelhas perdidas, cada um seguindo o seu caminho. Mas o Senhor carregou sobre ele todos os nossos crimes. Foi maltratado, mas humilhou-se e não abriu a boca, como um cordeiro que é levado ao matadouro, ou como uma ovelha emudecida nas mãos do tosquiador.”

 

 

Alexandrina (refere-se a Jesus)

«Eu era como que uma bola, que rolava de cima a baixo e de baixo a cima, pelo meio dos sofrimentos; era a bola de entretimento dos algozes. Descia, quando pelo furor era arrastada; subia, quando a violência me fazia subir, e sobretudo o amor, sim, esse me obrigava a caminhar.» (S.A.; 1945) «Maior, muito maior que a fúria dos algozes, era a força do amor que me arrastava;» (S.A.; 1945)

 

 

(Silêncio)      Tende compaixão de nós, Senhor.

 

 

 

DÉCIMA ESTAÇÃO

Jesus é despojado das suas vestes

 

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Cristo;

R. Porque com a Vossa Santa cruz remistes o mundo.

 

 

Do Evangelho de S. Marcos (Mc 15; 24)

“Depois, crucificaram-no e repartiram entre si as suas vestes, tirando-as à sorte, para ver o que cabia a cada um.”

 

 

Alexandrina (refere-se a Jesus)

«No cimo dela, tiraram-me as cordas que me cercavam o pescoço e a cinta. Que enormes dores! Elas estavam enterradas na carne, ensopadas em sangue. Ao serem arrancadas, deixava-me no corpo marcas com grandes feridas a que estavam ligadas e enterradas.» (S.A.; 1945) «Senti a vergonha de Jesus, ao ser despojado dos Seus vestidos. Que coisa tão profunda! Não sei o nome que hei-de dar àquela vergonha.» (S.A.; 1945)

 

 

(Silêncio)      Tende compaixão de nós, Senhor.

 

 

 

DÉCIMA PRIMEIRA ESTAÇÃO

Jesus é pregado na Cruz

 

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Cristo;

R. Porque com a Vossa Santa cruz remistes o mundo.

 

 

Do Evangelho de S. João (Jo 19; 18-19)

“…Gólgota, onde o crucificaram, e com Ele outros dois, um de cada lado, ficando Jesus no meio. Pilatos redigiu um letreiro e mandou pô-lo sobre a cruz. Dizia: «Jesus Nazareno, Rei dos Judeus.»”

 

 

Alexandrina (refere-se a Jesus)

«Foi violentíssima a crucifixão. Senti quase como se me arrancassem os braços e pernas fora, tal era a força, com que eram puxados para chegarem ao ponto marcado da cruz. As marteladas eram dadas sobre as mãos e os pés, mas ao mesmo tempo sentia como se me dessem no coração; sentia-o a ser esmagado.» (S.A.; 1949) «Sem o som das fortes marteladas sobre os cravos que entoavam ao longe, nem a vista de tanto padecer, moviam os corações. Ao bradar ao Eterno Pai, era tão forte e doloroso o brado, que parecia estremecerem os astros e o firmamento.» (S.A.; 1946)

 

 

(Silêncio)      Tende compaixão de nós, Senhor.

 

 

 

DÉCIMA SEGUNDA ESTAÇÃO

Jesus morre na Cruz

 

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Cristo;

R. Porque com a Vossa Santa cruz remistes o mundo.

 

 

Do Evangelho de S. Marcos (Mc 15; 34. 37-38)

“E às três da tarde, Jesus exclamou em alta voz: «Eloí, Eloí, lemá sabachtáni?», que quer dizer: Meu Deus, meu Deus, porque me abandonaste? (…) Mas Jesus, com um grito forte, expirou.”

 

 

Alexandrina (refere-se a Jesus)

«… sentir os golpes de toda a humanidade, pessoa por pessoa, uns com toda a crueldade e maldade, outros forçados e até inconscientes do mal que faziam.» (S.A.; 1946) «Ao receber insultos, ao sentir a sede devoradora do Seu Divino Coração segredava o amorosíssimo Jesus, cheio de meiguice: “Meus filhos, tenho sede de vós; é assim que Me saciais?”» (S.A.; 1946)

 

 

(Silêncio)      Tende compaixão de nós, Senhor.

 

 

 

DÉCIMA TERCEIRA ESTAÇÃO

Jesus é descido da Cruz e entregue a sua Mãe

 

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Cristo;

R. Porque com a Vossa Santa cruz remistes o mundo.

 

Do Evangelho de S. João (Jo 19; 38-40)

“Veio, pois, e retirou o corpo. Nicodemos, aquele que antes tinha ido ter com Jesus de noite, apareceu também trazendo uma mistura de perto de cem libras de mirra e aloés. Tomaram então o corpo de Jesus e envolveram-no em panos de linho com os perfumes, segundo o costume dos judeus.”

 

 

Alexandrina (refere-se a Jesus)

«De repente, a minha alma vê-O, a ser descido da Cruz, a Cruz que estava dentro de mim. A Santíssima Cabeça pendurada; um braço já estendido e a Mãezinha já sentada ao pé da Cruz, de braços abertos para O receber. Mas ai, quanto isto me custou; estremeci; parecia-me sentir o Corpo de Jesus sem vida, frio e gelado.» (S.A.; 1945)

 

 

(Silêncio)      Tende compaixão de nós, Senhor.

 

 

 

DÉCIMA QUARTA ESTAÇÃO

Jesus é depositado no sepulcro

 

V. Nós Vos adoramos e bendizemos, ó Cristo;

R. Porque com a Vossa Santa cruz remistes o mundo.

 

 

Do Evangelho de S. Mateus (Mt 27; 59-60)

“José tomou o corpo, envolveu-o num lençol limpo e depositou-o num túmulo novo, que tinha mandado talhar na rocha. Depois, rolou uma grande pedra contra a porta do túmulo e retirou-se.”

 

 

Alexandrina (refere-se a Jesus)

«Ele a expirar, e um som harmonioso enchia o Céu e a Terra.» (S.A.; 1946) «Jesus expirou, e logo após a Sua morte, eu senti a alegria do Céu e de muitas almas. Houve luz, brilhou o Sol entre elas.» (S.A.; 1948)

 

 

(Silêncio)      Tende compaixão de nós, Senhor.

 

 

ALELUIA

 

Do Evangelho de S. João (Jo 20; 28-29)

Tomé respondeu-lhe: «Meu Senhor e meu Deus!» Disse-lhe Jesus: «Porque me viste, acreditaste. Felizes os que crêem sem terem visto!»

 

 

Alexandrina:

«Ressuscitou e fez ressuscitar a minha alma. Com mais luz e dor mais suavizada, no meu coração ouvi que Ele me dizia: “Ouvi, filhos Meus, a voz de Jesus que vos chama! Chama-vos porque vos quer; ouvi e estai atentos: é a hora da graça que passa! Recebei-a, reparai-a, aceitai-a! Bato com insistência e peço com todo o ardor do Meu Divino Coração: Vinde a Mim, chamo-vos com amor de Pai!”» (S.A.; 1950)

 

«Passou algum tempo, Jesus ressuscitou, fez-me ressuscitar e disse-me: “Minha filha, Minha filha, onde está o coração está o amor puro e abrasado, estou Eu com o Pai, Filho e Espírito Santo. É aqui no teu coração que Nós encontramos; aqui temos as Nossas delícias.”» (S.A.; 1948)

 

«Que a Tua ressurreição, meu Jesus, faça ressuscitar a minha alma para aquele amor e para aquela graça que o meu coração tanto anseia. Ó Jesus, eu quero ser santa!» (S.A.,1949)

 

«Neste santo tempo da Páscoa, tenho sofrido muito profundamente, imensamente. (…) Queria comer a Páscoa com toda a humanidade, a todos queria possuir e que todos a mim possuíssem e em mim se transformassem. (…) É uma vida tão grande, infinitamente grande, é a vida do Céu e da Terra. Ó meu Deus, eu não sou digna, eu não posso ter em mim tanta grandeza, tantos e tão íntimos desejos e ânsias!» (S.A.; 1949)

Destaques
/imagens/destaques/rsz_anopastoral2016_17.jpg
Agenda
2016-2017
Ano Mariano - Fé Contemplada
8 e 9 de julho 2017
Festa do Senhor da Cruz
14 de setembro
Exaltação da Santa Cruz
13 de outubro 2017
62.º aniversário da morte da Beata Alexandrina
31 de outubro
Consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria
Localização

Ver mapa maior
ContactosMoradaHorários

Tel. Igreja: (00351) 252 951 601

Tel. Fundação: (00351) 252 951 264 

Tlm Fundação: (000351) 963 649 183

E-mail: fundacao@alexandrinadebalasar.com

Rua Alexandrina Maria da Costa, 21

4570-017 Balasar PVZ

GPS     41º 24' 17'' N    8º 37' 31'' W

Receção da Igreja:

segunda feira a sábado

09h00-12h30 e 14h00-18h00

domingo

09h00 às 12h45 e 14h30 às 18h00 

                                      

Casa da Alexandrina:

Inverno

09h00-12h00 e 14h00-18h00

Verão

Semana - 09h00 às 12h00 e 14h00 às 16h00

Domingo e Dia Santo - 08h00 às 19h00