logotipo /imagens/bandeiras/pt.gif   /imagens/bandeiras/gb.gif   /imagens/bandeiras/it.gif   /imagens/bandeiras/es.gif   /imagens/bandeiras/fr.gif
  
Slideshow Image 1 Slideshow Image 2 Slideshow Image 3 Slideshow Image 4 Slideshow Image 5 Slideshow Image 6 Slideshow Image 7 Slideshow Image 8
Apresentação
Palavra do Pároco
Palavra de Deus e revelações privadas
Aparições e revelações
Os Santos e a interpretação da Escritura
Balasar
Beata Alexandrina
História de uma Vida
Missão
Mensagem
Espiritualidade
Mística
Colóquios
Êxtases
Orações
Fátima e Balasar
Alexandrina no mundo
Processo | Glorificação
Serviços
Horários Litúrgicos
Pastoral da Mensagem da Beata Alexandrina
Serviços aos Peregrinos
Peregrinos - Estatísticas
Destaques
Capela da Santa Cruz
Cruz de Cristo
História da Capela S. Cruz
Alexandrina e a Santa Cruz
Fundação
Protocolo
Logótipo
Corpos Gerentes
Arquivo
Notícias
Temas de Reflexão
Meditar e Rezar com a Beata Alexandrina

Eucaristia

Fátima

No Outono de 1916, o Anjo da Paz (o Anjo de Portugal) aparece pela terceira vez aos três pastorinhos. Conta a Lúcia:

«Estando, pois, aí, apareceu-nos pela terceira vez, trazendo na mão um Cálix e sobre ele uma Hóstia, da qual caíam, dentro do Cálix, algumas gotas de sangue. Deixando o Cálix e a Hóstia suspensos no ar, prostrou-se em terra e repetiu três vezes a oração:

“Santíssima Trindade, Padre, Filho, Espírito Santo, adoro-Vos profundamente e ofereço-Vos o preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os Sacrários da terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores.”

Depois, levantando-se, tomou de novo na mão o Cálix e a Hóstia e deu-me a Hóstia a mim e o que continha o Cálix deu-o a beber à Jacinta e ao Francisco, dizendo, ao mesmo tempo:

Tomai e bebei o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo horrivelmente ultrajado pelos homens ingratos. Reparai os seus crimes e consolai o vosso Deus.”»

 (Memórias da Irmã Lúcia I; pág. 78 e 79)

 

 

Na primeira aparição de Nossa Senhora, a 13 de maio de 1917, Maria mostra-lhes uma “Luz tão intensa”:

«Então, por um impulso íntimo também comunicado, caímos de joelhos e repetíamos intimamente:

“Ó Santíssima Trindade, eu Vos adoro. Meu Deus, meu Deus, eu Vos amo no Santíssimo Sacramento.”»

(Memórias da Irmã Lúcia I; pág. 174)

Balasar

Jesus a Alexandrina:

«Tirei-te o alimento. Fiz, faço-te viver só de Mim. Sabes para quê, Minha filha? Para mais e mais luz. Para mais provar aos Homens o Meu poder, a Minha existência. Ai daqueles que não querem ver. Bem-aventurados os que veem e creem.»

(Sentimentos da Alma; 27/03/1953)

 

 

Jesus a Alexandrina:

«Alerta nos Meus Sacrários estou sozinho em tantos, tantos! Passam-se dias e dias que Me não visitam e não Me amam e não Me desagravam; quando lá vão é por um hábito, por uma obrigação. Sabes o que nunca lá deixa de cair? É aquela corrente de pecados e de horrendos crimes. São os atos de amor que Me mandam, é assim que Me consolam, é assim que Me desagravam, é assim que Me amam!»

(27/10/1934; Cartas ao Pe. Mariano Pinho; 01/11/1934)

 

 

Jesus a Alexandrina:

«Diz às almas que Me amam que vivam unidas a Mim durante o seu trabalho. Nas suas casas, seja de dia seja de noite, ajoelhem-se muitas vezes em espírito e de cabeça inclinada digam:

Jesus, eu Vos adoro em todo o lugar onde habitais sacramentado;

faço-Vos companhia pelos que Vos desprezam,

amo-Vos pelos que não Vos não amam;

desagravo-Vos pelos que Vos ofendem. Jesus, vinde ao meu coração!”

Estes momentos serão para Mim de grande alegria e consolação. Que crimes se cometem contra Mim na Eucaristia!»

(Sentimentos da Alma; 02/10/1948)

 

 

Alexandrina, relata uma visão:

«De dentro do Sacrário daquelas hóstias tão brancas saiam raios doirados e mais brilhantes que o sol, passaram por entre nós. Jesus, cheio de doçura, dizia-me; "Minha filha, mimo eucarístico, estou ali no Sacrário, naquela Hóstia pura em Corpo, Alma e Divindade, tal como estou aqui. Confia, Minha filha, e esposa querida. Fala ao mundo deste amor. Diz aos homens que se abeirem de Mim. Quero dar-Me a eles, muitas vezes, todos os dias, se for possível. Que venham com os seus corações puros, muito puros e sequiosos.»

(Sentimentos da Alma; 10/12/1954)

Destaques
/imagens/destaques/rsz_anopastoral2016_17.jpg
Agenda
2016-2017
Ano Mariano - Fé Contemplada
14 de setembro
Exaltação da Santa Cruz
13 de outubro 2017
62.º aniversário da morte da Beata Alexandrina
31 de outubro
Consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria
Localização

Ver mapa maior
ContactosMoradaHorários

Tel. Igreja: (00351) 252 951 601

Tel. Fundação: (00351) 252 951 264 

Tlm Fundação: (000351) 963 649 183

E-mail: fundacao@alexandrinadebalasar.com

Rua Alexandrina Maria da Costa, 21

4570-017 Balasar PVZ

GPS     41º 24' 17'' N    8º 37' 31'' W

Receção da Igreja:

segunda feira a sábado

09h00-12h30 e 14h00-18h00

domingo

09h00 às 12h45 e 14h30 às 18h00 

                                      

Casa da Alexandrina:

Inverno

09h00-12h00 e 14h00-18h00

Verão

Semana - 09h00 às 12h00 e 14h00 às 16h00

Domingo e Dia Santo - 08h00 às 19h00