logotipo /imagens/bandeiras/pt.gif   /imagens/bandeiras/gb.gif   /imagens/bandeiras/it.gif   /imagens/bandeiras/es.gif   /imagens/bandeiras/fr.gif
  
Slideshow Image 1 Slideshow Image 2 Slideshow Image 3 Slideshow Image 4 Slideshow Image 5 Slideshow Image 6 Slideshow Image 7 Slideshow Image 8
Apresentação
Palavra do Pároco
Palavra de Deus e revelações privadas
Aparições e revelações
Os Santos e a interpretação da Escritura
Balasar
Beata Alexandrina
História de uma Vida
Missão
Mensagem
Espiritualidade
Mística
Colóquios
Êxtases
Orações
Fátima e Balasar
Alexandrina no mundo
Processo | Glorificação
Serviços
Horários Litúrgicos
Pastoral da Mensagem da Beata Alexandrina
Serviços aos Peregrinos
Peregrinos - Estatísticas
Destaques
Capela da Santa Cruz
Cruz de Cristo
História da Capela S. Cruz
Alexandrina e a Santa Cruz
Fundação
Protocolo
Logótipo
Corpos Gerentes
Arquivo
Notícias
Temas de Reflexão
Meditar e Rezar com a Beata Alexandrina

Conversão dos pecadores

Fátima

O Anjo, na sua segunda aparição (verão de 1916):

«De tudo que puderdes, oferecei a Deus sacrifícios em ato de reparação pelos pecados com que Ele é ofendido e súplica pela conversão dos pecadores. Atraí assim, sobre a vossa Pátria, a paz. Eu sou o Anjo da sua guarda, o Anjo de Portugal. Sobretudo, aceitai e suportai, com submissão, o sofrimento que o Senhor vos enviar.»

(Memórias da Irmã Lúcia I; pág. 78)

 

 

Nossa Senhora na sua terceira aparição:

«Sacrificai-vos pelos pecadores e dizei muitas vezes, em especial sempre que fizerdes algum sacrifício: ó Jesus, é por vosso amor, pela conversão dos pecadores e em reparação pelos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria.»

(Memórias da Irmã Lúcia I; pág. 87)

 

 

Conta a Lúcia:

«Desde que Nossa Senhora nos ensinou a oferecer a Jesus os nossos sacrifícios, sempre que combinávamos fazer algum ou que tínhamos alguma prova a sofrer, a Jacinta perguntava:

“Já disseste a Jesus que é por Seu amor?”

Se Ihe dizia que não...

“Então digo-Lho eu.”

E punha as mãozinhas, levantava os olhos ao Céu e dizia:

“Ó Jesus, é por Vosso amor e pela conversão dos pecadores.”

(Memórias da Irmã Lúcia I; pág. 50)

 

 

 

 

Os três Pastorinhos: Lúcia (10 anos), Francisco (9 anos) e Jacinta (7 anos)

Balasar

Alexandrina, em 11 de agosto de 1953, escreve no seu diário:

«Eu queria gravar nas pedras na rua, das estradas, dos fontenários, nas praças, nas praias, nos desgraçados casinos, nos cinemas, nas casas de pecado, etc., etc., em toda a parte, isto: Pecadores, convertei-vos! Vinde a Jesus! Não fomos criados para a terra, mas sim para o Céu! Não ofendais a Nosso Senhor! Ah!, se soubésseis o que é uma ofensa feita ao Seu Divino Coração!

Eu vivi por vós, sofri por vós, morri por vós e por vós vou continuar o meu Céu. Foram por vós todas as minhas aspirações. Não queria um só momento de deixar de aos vossos ouvidos falar do amor que Jesus nos tem e o que é a nossa ingratidão para com Ele, quando pecamos. Queria dizer muita coisa para os não deixar cair no pecado.

Amai o Senhor!

Amai o Senhor!

Temei o inferno!»

(Sentimentos da Alma; 07/08/1953)

 

 

Jesus fala-nos, através da Alexandrina:

«Convertei-vos pecadores! Chama-vos o Senhor.»

(Sentimentos da Alma; 27/05/1955)

 

 

Jesus a Alexandrina:

«... brada ao mundo cruel:

“Pecadores ingratos, orai, fazei penitência, convertei-Vos, vinde a Jesus. Eu quero corações puros, abrasados da amor;” [...]

Como Eu sou ofendido, Minha filha!»

(Sentimentos da Alma; 19/11/1948)

 

 

Nos êxtases, Alexandrina reproduz em interrogações o que ouve de Jesus:

«(Jesus) Vão pecadores sem conta para o inferno? Não podia uma criatura da Terra contar os que momento a momento lá caiem? Vós chamais, Vós gritais: “Convertei-vos, convertei-vos?” Mas eles estranhados no vício, na desonra, na impureza, não Vos ouvem? Estão surdos? Estão cegos? Sinto agora a Vossa dor de Pai que derramou todo o Sangue para Vos salvar?

(Alexandrina) Jesus, chamai muito alto. Batei-lhes ao coração. Insiste para que eles Vos ouçam. Dai-lhes sofrimentos. O sofrimento fá-los lembrar de Vós.

(Jesus) Desesperam-se, falta-lhes o amor à cruz, a generosidade que em mim encontrastes?»

(Êxtases; 10/11/1939)

 

Destaques
/imagens/destaques/rsz_anopastoral2016_17.jpg
Agenda
2016-2017
Ano Mariano - Fé Contemplada
3 de dezembro 2017
Caminhada do Advento
Localização

Ver mapa maior
ContactosMoradaHorários

Tel. Igreja: (00351) 252 951 601

Tel. Fundação: (00351) 252 951 264 

Tlm Fundação: (000351) 963 649 183

E-mail: fundacao@alexandrinadebalasar.com

Rua Alexandrina Maria da Costa, 21

4570-017 Balasar PVZ

GPS     41º 24' 17'' N    8º 37' 31'' W

Receção da Igreja:

segunda feira a sábado

09h00-12h30 e 14h00-18h00

domingo

09h00 às 12h45 e 14h30 às 18h00 

                                      

Casa da Alexandrina:

Inverno

09h00-12h00 e 14h00-18h00

Verão

Semana - 09h00 às 12h00 e 14h00 às 19h00

Domingo e Dia Santo - 08h00 às 19h00