logotipo /imagens/bandeiras/pt.gif   /imagens/bandeiras/gb.gif   /imagens/bandeiras/it.gif   /imagens/bandeiras/es.gif   /imagens/bandeiras/fr.gif
  
Slideshow Image 1 Slideshow Image 2 Slideshow Image 3 Slideshow Image 4 Slideshow Image 5 Slideshow Image 6 Slideshow Image 7 Slideshow Image 8
Apresentação
Palavra do Pároco
Palavra de Deus e revelações privadas
Aparições e revelações
Os Santos e a interpretação da Escritura
Balasar
Beata Alexandrina
História de uma Vida
Missão
Mensagem
Espiritualidade
Mística
Colóquios
Êxtases
Orações
Fátima e Balasar
Alexandrina no mundo
Processo | Glorificação
Serviços
Horários Litúrgicos
Pastoral da Mensagem da Beata Alexandrina
Serviços aos Peregrinos
Peregrinos - Estatísticas
Destaques
Capela da Santa Cruz
Cruz de Cristo
História da Capela S. Cruz
Alexandrina e a Santa Cruz
Fundação
Protocolo
Logótipo
Corpos Gerentes
Arquivo
Notícias
Temas de Reflexão
Meditar e Rezar com a Beata Alexandrina

Vida Eucarística

A grande mensagem de Alexandrina é a sua vida eucarística. Desde criança que sente uma especial união com Jesus Eucaristia. Será o centro de toda a sua vida e espiritualidade. Será a vítima e a mensageira da Eucaristia.

 

Primeira Comunhão

Enquanto Alexandrina vivia na Póvoa de Varzim (1911), deu-se a sua Primeira Comunhão, um momento especial e de referência para a sua vida:

«Foi na Póvoa de Varzim que fiz a minha primeira Co­munhão, com sete anos de idade. Foi o Sr. Padre Álvaro Matos que me perguntou a doutrina, me confessou e me deu pela primeira vez a Sagrada Comunhão. Como prémio recebi um lindo terço e uma estampazinha.

Quando comunguei, estava de joelhos, apesar de pe­quenina, e fitei a Sagrada Hóstia que ia receber de tal maneira que me ficou tão gravada na alma, parecendo-me unir a Jesus para nunca mais me separar d’Ele. Parece que me prendeu o coração. A alegria que eu sentia era inexplicável. A todos dava a boa nova. A encarregada da minha educação levava-me a comungar diariamente.»

(Autobiografia; pág.5)

 

Igreja Matriz da Póvoa de Varzim,

onde Alexandrina recebeu a Eucaristia pela primeira vez

 

 

Na doença, vive da Eucarístia

Alexandrina alegra-se em receber Jesus na doença:

«Ontem, tive a consolação de receber o meu querido Jesus. Eu tinha o costume de pedir a Nossa Senhora que enviasse uma multidão de Anjos, Querubins e Serafins acompanhar o meu Jesus do Sacrário até junto de mim e de vir Ela com outra multidão de espíritos celestes, preparar o trono da minha alma para eu receber Jesus e no fim dar-lhe graças por mim. Desta vez assim foi. Depois que recebi a Nosso Senhor, que paz eu sentia!»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 29/01/1935)

 

 

Desejo de comungar sempre

 

Um sacerdote levava-lhe a Sagrada Comunhão diariamente mas, a partir de 1933, o Pe. Leopoldino, pároco de Balasar, fazia-o com menos frequência. Mais tarde, voltaria a receber diariamente a Sagrada Comunhão.

Quando se via privada de receber Jesus diariamente, Alexandrina ficava muito triste.

«Com grande mágoa e saudade lhe digo que ainda não tornei a receber a Nosso Senhor. Se eu pudesse pagar e me trouxessem o Nosso Senhor por dinheiro, quanto não daria eu! Mas paciência, tenho feito muitas Comunhões espirituais com o maior fervor que tenho podido, e Nosso Senhor vai-me dando a recompensa. Vai ver como o bom Jesus tem sido meu amigo.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 27/09/1934)

 

 

Alexandrina

«Meu Padre, ainda não tornei a receber o meu querido Jesus desde o dia 13. Ai, meu Deus, que pena eu tenho! Peça muito a Nosso Senhor, que por sua infinita misericórdia, Se digne a dar algum meio a isto.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 29/01/1935)

 

 

Alexandrina:
«Eu continuo muito doentinha, mas tenho tido a consolação de receber Nosso Senhor todos os dias. Isto só por um milagre do Céu, pois o Sr. Abade nunca me fez tal. Algumas vezes recebo o meu Jesus e fico muito desconsolada. Bendito Ele seja! Tudo é permitido por Ele; seja em tudo feita a Sua Santíssima vontade.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 06/06/1935)

 

 

Alexandrina:

«Tenho recebido todos os dias o meu amado Jesus; apesar de não ouvir sempre a Sua Divina voz, tenho dias, oh! Como eu me sinto bem com a Sua Divina presença sacramental em mim. Que paz eu sinto em minha pobre alma! Como eu sinto desejos de O amar sempre cada vez mais! Hoje recebi-O, mas não tinha muito fervor; mas já tem sido pior. Sabe o que me parecia ver? De cada vez, mais grandeza em Nosso Senhor, e a mim me parecia ser cada vez mais pequenina: parecia que me aninhava, que me punha de rasto.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 29/06/1935)

 

 

Alexandrina:

«No dia 28/06 preparei-me o melhor que me foi possível para receber o meu querido Jesus, pois tinha grandes desejos de fazer uma Comunhão mais fervorosa do que nunca e desejava fazer assim todas as outras daqui em diante. Chegou o meu Desejado, recebi-O e fiquei por algum tempo em colóquios amorosos com Ele.»

(Cartas ao Padre Mariano Pinho; 28/06/1935)

 

 

Em 1937, volta a receber Jesus diariamente:

«Havia talvez um ano que recebia diariamente Nosso Senhor, pois até aí recebia-O raras vezes no mês, o que me fazia sofrer muito e sentir muitas saudades de Jesus. Não sei o que foi, mas talvez um milagre, que levou o Senhor Abade a trazer-me Nosso Senhor todos os dias. Eu pedia a Jesus esta graça e tinha quem a pedisse muito por mim. Foi uma das minhas maiores alegrias alimentar-me do Pão dos Anjos todas as manhãs.»

(Autobiografia; pág. 43)

Uma grande crise

 

Em 1937, Alexandrina passa por uma grave crise de saúde. Sucedeu-se o seguinte episódio:

«Neste período da minha doença – não sei se de manhã, se de tarde – vi entrar no quarto o Senhor Abade e, conhecendo-o, disse-lhe:

“Eu quero receber Nosso Senhor.”

Ele respondeu-me:

“Sim, minha menina, vou buscar-te uma hóstia por consagrar e, se a não vomitares, trago-te Nosso Senhor.”

Assim o fez. Logo que engoli a hóstia por consagrar, imediatamente a vomitei. Sua Reverência estava para desistir em me trazer Nosso Senhor, e alguém disse:

“Sr. Abade, uma hóstia por consagrar não é Jesus.”

Foi então que se resolveu a ir buscar uma consagrada. Recebi-a e não vomitei. Nunca mais deixei de receber Jesus Sacramentado por causa desses vómitos. Quantas vezes entrava o Senhor Abade no meu quarto para me dar Nosso Senhor, e eu a vomitar! Logo que recebia Jesus, cessavam os vómitos, nunca vomitando antes de passar meia hora. Como era assim, o Senhor Abade nunca temeu em me dar a Comunhão. A crise durou bastante tempo, mas durante dezassete dias, estive sem tomar nada, absolutamente nada. A minha medicina foi Jesus.»

(Autobiografia; pág. 43)

 

Destaques
/imagens/destaques/rsz_anopastoral2016_17.jpg
Agenda
2016-2017
Ano Mariano - Fé Contemplada
14 de setembro
Exaltação da Santa Cruz
13 de outubro 2017
62.º aniversário da morte da Beata Alexandrina
31 de outubro
Consagração do Mundo ao Imaculado Coração de Maria
Localização

Ver mapa maior
ContactosMoradaHorários

Tel. Igreja: (00351) 252 951 601

Tel. Fundação: (00351) 252 951 264 

Tlm Fundação: (000351) 963 649 183

E-mail: fundacao@alexandrinadebalasar.com

Rua Alexandrina Maria da Costa, 21

4570-017 Balasar PVZ

GPS     41º 24' 17'' N    8º 37' 31'' W

Receção da Igreja:

segunda feira a sábado

09h00-12h30 e 14h00-18h00

domingo

09h00 às 12h45 e 14h30 às 18h00 

                                      

Casa da Alexandrina:

Inverno

09h00-12h00 e 14h00-18h00

Verão

Semana - 09h00 às 12h00 e 14h00 às 16h00

Domingo e Dia Santo - 08h00 às 19h00